BOM DIA

BEM VINDOS AOS BLOGS DOS

INTERNAUTAS MISSIONÁRIOS

SOMOS CATÓLICOS APOSTÓLICOS ROMANOS, MAS RESPEITAMOS TODAS AS RELIGIÕES. CRISTÃS OU NÃO.

CATEQUESE PELA INTERNET

LEIA, ESCUTE, PRATIQUE E ENSINE.

PESQUISAR NESTE BLOG - DIGITE UMA FRASE DE QUALQUER EVANGELHO

31 de mai de 2011

O Espírito Santo - Nancy

1º de Junho – 4ª feira

Evangelho - Jo 16,12-15

 

"Tudo o que o Pai possui é meu. O Espírito Santo
receberá do que é meu e vo-lo anunciará" –
Nancy

 

            Os evangelistas narram, em trechos já anteriores, um pré-anúncio da despedida de Jesus Cristo aos seus discípulos e, ao mesmo tempo, a preocupação do Mestre em deixá-los. Por isso começa a prepará-los esmeradamente para assumir a continuidade da missão evangelizadora como discípulos fiéis.

            Todos nós sabemos o quanto um pai ama, incondicionalmente, o seu filho.  E nesse amor paternal, entendemos que jamais um pai cogita em deixar o seu filho órfão.

            Da mesma forma Jesus Cristo, na certeza de sua partida junto do Pai, sentindo e pressentindo as dúvidas e incertezas brotando do íntimo dos seus discípulos, tenta fazê-los compreender o envio do Espírito de Verdade – o Paráclito, que os acompanhará em todos os lugares, em todas as situações. Por isso disse: "Tenho ainda muitas coisas a dizer-vos, mas não sois capazes de as compreender agora. Quando, porém, vier o Espírito da Verdade, ele vos conduzirá à plena verdade. Pois ele não falará por si mesmo ..."  

            Aos discípulos, porém, a simples ausência do divino Mestre não deixava de causar sentimentos de tristeza e de desamparo, como se estivessem num estado de orfandade, sendo entregues à própria sorte. Ainda não conseguiam enxergar novos horizontes ou mesmo compreender as ações do Espírito Santo iluminando as suas trajetórias.

            Somos o templo do Espírito Santo. E ao sermos crismados recebemos a confirmação dos dons do Espírito Santo e, assim, somos capazes de testemunhar Jesus Cristo em nossas vidas, bastando apenas que cumpramos os mandamentos de Deus e acreditemos no profundo amor que Jesus manifestou por cada um de nós.  

            Façamos alguns paralelos da similaridade entre os discípulos de Jesus e nós, como cristãos e seguidores do Mestre. E vejamos que embora o Mestre fosse enfático ao afirmar aos discípulos que não deveriam ter preocupações com a sua ausência, pois teriam como sustentáculo o Paráclito, que lhes daria força divina para o enfrentamento do dia a dia, ainda assim temiam, fraquejavam, quase abandonavam a causa... E nós, humanos e limitados? Fracos na fé, por muitas vezes?

            Somos muito semelhantes aos discípulos de Jesus, principalmente nos momentos tempestuosos, quando precisamos ser revestidos da força do Espírito de Verdade, quando precisamos caminhar seguros de que Jesus é onipresente, onisciente, e que, portanto, nada devemos temer!

            Caros irmãos e irmãs: se ainda estamos imaturos, espiritualmente, se não conseguimos compreender as ações do Espírito de Verdade em nosso viver, peçamos à Trindade Santíssima que venha em nosso auxílio. E que lio, soprando vida em abundver, peçamos ao os no profundo amor manifestado por Jesus possamos responder para nós mesmos: como estamos vivendo os dons do Espírito Santo que recebemos? Estamos colocando-os ao bem do próximo? Temos sido instrumentos de Jesus de modo pessoal e comunitário?

            Oremos: Que o Espírito Santo permaneça em nosso meio como defensor, consolador, confortador das nossas inquietações, problemas, acontecimentos da vida... Afinal: "Tudo posso naquele que me fortalece."

            Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo! Para sempre seja louvado!

 

Abraços fraternos, com carinho.

Nancy – professora

           

 

 

O ESPÍRITO VAI FICAR SABENDO O QUE EU LHE DISSER E VAI ANUNCIAR A VOCÊS -Alexandre Soledade

 

Bom dia!

Jesus descreve a dinâmica da onisciência de Deus quanto a nossa vida. É o próprio Espírito Santo que descreve nossas necessidades e as apresenta a Deus, bem como, age como canal aberto de relacionamento do amor Dele com sua criatura humana. "(…) Tudo o que o Pai tem é meu. POR ISSO EU DISSE QUE O ESPÍRITO VAI FICAR SABENDO O QUE EU LHE DISSER E VAI ANUNCIAR A VOCÊS".

Deus sabe bem o que precisamos e, no momento mais oportuno, através do Espírito Santo, nos revela o que precisamos saber e ver.

Ele é a voz que insiste em nos orientar a fazer o certo; é a sensação estranha quando algo acontece; é a fortaleza que surge na hora da aflição; a força sobre-humana que levanta o escombro, mas como mencionamos ontem, o primeiro contato geralmente passa por despercebido. Em afirmação ao que refletíamos ontem: "(…) Esse primeiro contato com o consolador talvez tenha passado despercebido, pois vinha talvez apresentar primeiramente a eles a realidade que viviam, abrindo seus olhos para o projeto salvifico de Deus".

Se então voltarmos ao evangelho de ontem, buscando subsídios para uma complementação de entendimento do de hoje, teremos uma possível síntese do parágrafo anterior nas palavras:

"(…) Quando o Auxiliador vier, ele convencerá as PESSOAS DO MUNDO DE QUE ELAS TÊM UMA IDÉIA ERRADA A RESPEITO DO PECADO E DO QUE É DIREITO E JUSTO e também do julgamento de Deus". (João 16, 8-9)

O Espírito age muito em nosso meio, mas nem sempre o ouvimos. É uma voz presente em nossa reflexão diária. Uma resposta concreta na nossa oração diária; um clamor persistente e obediente a bondade, no entanto seus sussurros são abafados pelos gritos dos valores pregados por nossa sociedade. Seus murmúrios são calados pelos gritos ensurdecedores dos falsos profetas

O Espírito Santo não vem falar de tragédias ou do final dos tempos, pois mesmo que um dia isso venha acontecer, hoje não estaríamos ainda preparados para tal; Ele não anuncia catástrofes ou calamidades, pois sofreríamos muito por antecipação. O Espírito Santo se apresenta logo após a paz de Jesus. Seu vento impetuoso é repleto de verdade e vida e não de medo.

"(…) Importa, na catequese, revelar com toda clareza a alegria e as exigências do caminho de Cristo. A catequese da "vida nova" (Rm 6,4) em Cristo será: UMA CATEQUESE DO ESPÍRITO SANTO, Mestre interior da vida segundo Cristo, doce hóspede e AMIGO QUE INSPIRA, CONDUZ, RETIFICA E FORTIFICA ESTA VIDA; (Catecismo da Igreja Católica § 1697)

Sim! É preciso estar atento aos falsos sopros que mais afastam do que aproximam as pessoas e daqueles que aprisionam as pessoas pelo medo. Conheci uma pessoa que ficou uma semana em casa porque o pastor da sua igreja disse que o mundo ia acabar em virtude da gripe suína. (Hunf!)

Precisamos rever nossa sensibilidade quanto aos sussurros do Espírito Santo e também rever nossa postura cristã missionária. Cada vez mais vemos cristãos escondidos em seus cenáculos à espera que algo diferente, impetuoso, que encha novamente aquele lugar de alegria e fogo. Cada vez mais cresce o número de surdos na fé. Cada vez mais vemos falsos pastores, donos de pequenas igrejas e grandes negócios, comercializando "ações do Espírito Santo" pela TV.

Tudo a seu tempo. Fiquemos atentos. Paciência. Até mesmo no olho da tempestade "(…) ele ensinará toda a verdade a vocês".

Um Imenso abraço fraterno

 

O Espírito Santo é Aquele que nos dá o conhecimento da vontade do Pai e dos Seus projetos para a nossa vida –Maria Regina.


                                               O Espírito Santo nos revela os planos de Deus e nos prepara até para as coisas futuras que o Senhor nos propõe. Por isso, não estamos aqui à mercê da sorte.  No entanto, as coisas que Jesus tem a nos dizer só nos serão compreensíveis quando nos apossamos do Espírito da verdade. Para isso, porém,  não precisamos ir longe, Jesus já nos enviou o Seu Espírito que nos convence da verdade. O Espírito Santo é Aquele que nos dá o  conhecimento da vontade do Pai e dos Seus projetos para a nossa vida. Somente Ele é capaz de nos fazer compreender a Palavra, as moções, os fatos e acontecimentos e até as coisas que estão por vir.

                                          Deus vive no nosso coração e o Seu Espírito nos conduz. Enquanto não nos deixamos mergulhar no Espírito Santo, nós, como os discípulos de Jesus, não seremos capazes de compreender as revelações do Senhor em relação à nossa vida, à nossa missão e, também para as nossas realizações pessoais e na nossa família.  Jesus e o Pai são Um e têm em Si o entendimento perfeito do que é bom para cada um de nós. Nós podemos perceber as Suas revelações  por meio da Sua Palavra, mas também por intermédio de pessoas que são mensageiras dos recados de Deus para nós. 

                                       Seremos Seus fiéis seguidores se acolhermos as Suas orientações de coração sem duvidas nem questionamentos. Assim agindo nós faremos o teste da obediência a Deus por intermédio dos homens e a consequência disso, será uma vida harmoniosa com Deus, conosco e com os nossos  irmãos e irmãs. Quando nós obedecemos às ordens de Deus nos submetendo à orientação das pessoas que Ele coloca à nossa frente para nos conduzir, nós caminhamos com mais segurança e em harmonia com a Sua vontade.Reflitamos:  - Você crê que o Pai tem um plano para você e que através do Espírito Santo Ele está elaborando o seu coração para tudo acontecer como Ele quer?  – Você consegue assimilar o que Jesus lhe fala? – Você reconhece a vontade do Pai nos fatos e acontecimentos da sua vida? – Você é dócil à condução das pessoas que o Senhor colocou perto de si?

Amém

Abraço carinhoso

Maria Regina

O Pai vos ama -Missionários Claretianos


Sábado, 4 de junho de 2011


6ª Semana da Páscoa

Santos do Dia: Adegrino de Baume (monge), Alexandre de Verona (bispo), Arécio e Daciano (mártires da Via Ápia, em Roma), Branca de Cornwall (virgem), Buriana de Cornwall (virgem), Clateu de Bréscia (bispo), Cornélio McConchailleach (agostiniano, bispo), Edfrido de Lindisfarne (monge, bispo), Elsiar de Lavedan (monge), Francisco Caracciolo (presbítero, fundador dos Clérigos Regulares Menores), Metrófanes de Bizâncio (bispo), Nenoc da Bretanha (abadessa, virgem), Optato de Milevis (bispo), Petroc de Cornwall (abade), Quirino de Tivoli (mártir), Quirino da Croácia (bispo, mártir), Rutílio e Companheiros (mártires de Sabária, atual Hungria), Saturnina de Arras (virgem, mártir), Vicenta Gerosa (virgem, fundadora das Irmãs de Nossa Senhora Menina), Walter de Serviliano (abade), Walter de Fontenelle (abade).

Primeira leitura: Atos dos Apóstolos 18, 23-28.
Apolo demonstrava com as Escrituras que Jesus é o Messias.
Salmo responsorial: 46,2-3.8-10.
O Senhor é o grande Rei de toda a terra.
Evangelho: João 16, 23-28.
O Pai vos ama, porque vós me amastes e acreditastes.

A famosa frase: "peçam e lhes será dado" se converteu em uma prece equivocada para pedir o que nos vem à mente. Muitas vezes não sabemos pedir a Deus. Pedimos coisas que não tem nenhuma transcendência para nossas vidas ou que compartilhamos com outros. Pedimos coisas tão absurdas como, por exemplo, ganhar na loteria, como se Deus se metesse em jogos.

De antemão sabemos que Deus não atende tais pedidos; e mais, Deus não concede coisas materiais a quem pede. Assim entendeu Paulo quando o mesmo Senhor lhe disse: "Basta somente minha Graça" (2Cor 12,9). Que mais podemos desejar e pedir senão a Graça vinda de Deus? Acaso nos fará falta outra coisa, se temos essa Graça?

Jesus nos mostrou a grandeza do amor do Pai. Já sabemos que nosso Deus é um Deus que está a favor dos despossuídos, dos que sofrem, dos que passam necessidade. Peçamos a sabedoria para estar sempre dispostos a ajudar estas pessoas que tanto necessitam de nosso carinho, nossa compreensão e nosso apoio.

Missionários Claretianos

Ninguém vos poderá tirar a vossa alegria -Missionários Claretianos


Sexta-feira, 3 de junho de 2011

São Carlos Lwanga e Companheiros, Mártires (Memória)

Outros Santos do Dia:
Alberto de Como (monge, bispo), Cecílio de Cartago (presbítero), Clotilde da França (rainha, viúva), Davino de Lucca (peregrino), Genésio de Clermont (bispo), Hilário de Carcassone (bispo), Isaac de Córdoba (mártir), João Maria Muzéï (mártir da Uganda), Libardo de Orléans (abade), Luciliano e quatro filhos: Cláudio, Hipácio, Paulo e Dionísio (mártires de Constantinopla), Morando de Cluny (monge), Oliva de Anagni (virgem), Paula de Nicomédia (virgem, mártir), Pergentino e Laurentino (mártires de Arezzo), Urbício de Meung (abade).

Primeira leitura: Atos dos Apóstolos 18, 9-18.
Nesta cidade há um povo numeroso que me pertence.
Salmo responsorial: 46, 2-7.
O Senhor é o grande Rei de toda a terra.
Evangelho: João 16, 20-23a.
Ninguém vos poderá tirar a vossa alegria

Às palavras contrastantes de Jesus, podemos unir um acontecimento da vida: o parto. Nós sabemos que a dor do parto é forte e angustiante, mas que se transforma em alegria quando nasce o bebê, a nova criatura. Com este exemplo, Jesus nos dá a conhecer que, apesar das dificuldades e contradições que podemos ter na vida, sempre haverá uma luz no final do caminho, que nos faz acreditar que a esperança é a última que morre.

A vida do cristão não acaba com a morte. A vida de Jesus não se acabou com a morte, mas sim, pelo amor do Pai, Jesus ressuscitou e continua vivo hoje em nossas comunidades, em nossa Igreja. Cada um de nós é chamado a ser uma testemunha comprometida dessa vida para os demais, a seguir gerando vida apesar da dor do parto.

Porém, feliz desenlace! A tristeza se converte em alegria. Peçamos ao Espírito do Ressuscitado que continue acompanhando nossa peregrinação e nos dê a capacidade de oferecer alegria ao próximo.

Missionários Claretianos

Vossa tristeza se transformará em alegria -Missionários Claretianos

Quinta-feira, 2 de junho de 2011


6ª Semana da Páscoa.

Santos do Dia: Santos Marcelino e Pedro, Mártires (Memória facultativa); Adalgiso de Novara (presbítero, eremita), Blandina e Companheiros (mártires de Lião), Erasmo de Formiae (bispo, mártir), Estêvão de Corvey (monge, bispo, mártir), Eugênio I (papa), Eustásio de Luxeuil (abade), Fotino de Lião (bispo e mártir), Guido de Acqui (bispo), João de Ortega (eremita), Nicolau, o Peregrino (venerado em Trani).

Primeira leitura: Atos dos Apóstolos 18, 1-8.
Paulo passou a morar com eles; trabalhava e discutia na sinagoga.
Salmo responsorial: 97, 1-4.
O Senhor fez conhecer seu poder salvador.
Evangelho: João 16, 16-20.
Vós ficareis tristes, mas a vossa tristeza se transformará em alegria.

O evangelista João apresenta a confusão dos discípulos de Jesus ante suas palavras conflitivas, como: "pouco tempo ainda e já não me vereis. E outra vez um pouco tempo, e me vereis de novo" ou ainda: "vós ficareis tristes, mas a vossa tristeza se transformará em alegria". O que significaram estas palavras para os apóstolos e o que significam para nós hoje?

A vida do cristão é marcada por uma série de contrastes que, embora desconcertantes, são necessários para entendermos os caminhos de Deus em nossa vida. O que para o ser humano pode ser negro, para Deus é branco. Para muitos, inclusive para os discípulos, a morte de Jesus foi um momento escuro, mas para Deus foi o momento propício para manifestar a grandeza de seu amor.

"Quanto mais escura a noite, mais próximo o amanhecer". Muitas vezes não compreendemos os desígnios de Deus, mas devemos estar seguros de que Ele não abandona seu povo. Portanto, Jesus nos convida a NÃO ficarmos tristes ou lamentando, mas sim a viver com alegria característica do cristão; alegria que deve ser nossa razão de viver. É bom lembrar: "Um cristão triste é um triste cristão"

Missionários Claretianos

O Espírito da Verdade -Missionários Claretianos

Quarta-feira, 1 de junho de 2011


São Justino, Mártir (Memória).

Outros Santos do Dia: Atos de Oca (monge, bispo), Caprásio de Lérins (abade), Claro de Aquitânia (bispo, mártir), Conrado de Trèves (bispo, mártir), Crescenciano de Saldo (soldado, mártir da Cidade de Castelo, na Itália), Felino e Gratiano (soldados, mártires de Perúgia), Fortunato de Spoleto (presbítero), Gaudêncio de Ossero (monge, bispo), Inhigo de Ona (abade), Juvêncio (mártir de Roma), Panfílio e Companheiros (mártires de Cesaréia da Palestina), Próculo, o Soldado de Bolonha (bispo, mártir), Reveriano (bispo de Autun), Paulo e Companheiros (mártires), Ronan de Cornwall (bispo), Segundo de Amelia (mártir), Simeão de Siracusa (eremita), Tecla de Denbighshire (virgem), Tespésio da Capadócia (mártir), Wistano de Evesham (príncipe, mártir).

Primeira leitura: Atos dos Apóstolos 17, 15, 22 - 18, 1.
Esse Deus que vós adorais sem conhecer, é exatamente aquele que eu vos anuncio.
Salmo responsorial: 148, 1-2. 11-14.
Da vossa glória estão cheios o céu e a terra.
Evangelho: João 16, 12-15.
O Espírito da Verdade vos conduzirá à plena verdade.

Estamos nos aproximando cada vez mais de um acontecimento fundamental na vida e missão da Igreja: a celebração de "Pentecostes", o envio do Espírito Santo, que é quem nos impulsiona à missão que temos como seres humanos, como cristãos.

Precisamente com a condução do Espírito que acontece na fidelidade, que é amor posto em prática, a comunidade manifesta a presença de Jesus ressuscitado, torna presente a Palavra que lhe foi confiada e é impulsionada a comunicá-la à humanidade para que esta creia.

"O Espírito nos conduzirá à verdade e essa verdade nos fará livres". Vivemos em um mundo onde "a palavra" já "não vale"; as pessoas se comprometem e não cumprem; a mentira ronda pelas cidades, povos e veredas; a corrupção está acabando com países inteiros. A verdade parece não ter mais espaço na sociedade.

E nós, como cristãos, que estamos fazendo para que essa verdade recupere seu valor de antigamente? Ou será que seguimos os mesmos esquemas que dominam o mundo? Nosso compromisso evangélico é estar e viver sempre na verdade e recordar as palavras do Mestre: "A verdade os fará livres".

Amar a Jesus, é amar o Pai - Diácono José da Cruz


Dia 04 de Junho

 

Evangelho João 16, 23-28

 

Uma vez precisei de um favor do Diretor da empresa onde me aposentei, ele era novo na direção e eu não o conhecia, pois já tinha me afastado da empresa. Liguei então para o diretor anterior, que era muito meu amigo e ele pediu-me para falar com o novo diretor em seu nome, daí as coisas ficaram fáceis.

Mais fáceis ainda quando ao falar com ele, para minha alegria ele disse que me conhecia de um evento em que fui representar a minha unidade quando atuava na Comunicação e Assistência social, da qual ele era um grande incentivador e apoiador. E como o meu pedido estava relacionado em ajudar ume entidade social, a tarefa, tão complicada a princípio, ficou ainda mais fácil, pois além de me conhecer, o Homem também comungava do mesmo desejo de atuar nesse campo social.

É isso que Jesus afirma nesse evangelho, antes da sua encarnação, Deus era alguém distante e misterioso, que se revelou apenas a algumas pessoas, nem todos tinham acesso a Ele.

Com Jesus essa distância que havia entre os homens e Deus, foi quebrada e superada em definitivo pois em Jesus, Deus conheceu na intimidade o Ser Humano, e este conheceu a Deus também na intimidade. O que pedimos ao Pai, em nome de Jesus, ele atenderá, claro que é preciso saber pedir, por isso Jesus ensinou-nos a Oração do Pai Nosso. Em Jesus o Pai nos ama e entra em comunhão conosco e assim já não há mais segredo.

Amar portanto a Jesus, é amar o Pai, pois Ele e o Pai são um e a Salvação nos inseriu nessa relação harmoniosa e amorosa do Pai e do Filho, através do Espírito Santo.

Ninguém conseguirá tirar a vossa alegria – Diac. José da Cruz

 

 

Dia 3 de Junho Evangelho João,  16, 20-23                                

 

 

 

No evangelho de ontem Jesus consolava os seus discípulos falando-lhes que iriam passar por uma tristeza temporária, mas que depois iriam experimentar uma grande alegria. Hoje ele acrescenta algo mais: ninguém conseguirá tirar do coração do discípulo essa alegria.

Entretanto, o Mestre não engana ninguém, terão de passar pela tristeza, pelo calvário da desilusão e da amargura, certa ocasião, dois discípulos lhe pediram lugares honrosos e importantes quando se instaurasse o seu Reino, e Jesus indagou-lhes "Por acaso estais dispostos a beber o cálice da amargura do qual vou beber?" . Eles disseram que sim, mas não sabiam do que estavam falando, agora, ao aproximar-se a "hora de Jesus" como João denomina a sua paixão e morte, chegou o momento dos discípulos beberem também desse cálice amargo. Tem cristão que busca um cristianismo do oba-oba, um mar de rosas, uma paz acomodada em si mesmo, e acha que ser discípulo é isso.

Quanta ilusão! Aqui uma pergunta é importante, será que nosso Deus é algum masoquista? Que sentido tem o sofrimento em nossa vida ? Não vamos desanimar ao buscar uma resposta para essa pergunta, mas já antes de Jesus, nossos irmãos do Judaísmo tentavam encontrar uma resposta e até se produziu uma novela, lembram-se

Da História de Jô ? Pois é, agora ela irá se repetir em Jesus Cristo, esmagado, aniquilado, aparentemente derrotado na cruz do calvário, porém, o Pai o glorificou com a Ressurreição. Não há ressurreição sem calvário, não há alegria sem tristeza, claro que aqui não se trata de qualquer alegria ou tristeza, mas da construção do Reino de Deus, que é e sempre será dolorosa, desafiadora e sofrida. Nosso Deus seria injusto  se servisse do sofrimento do homem, para implantar o seu Reino, O sofrimento é conseqüência da luta entre os poderes e valores que se opõe ao Reino, e essa luta se dá primeiramente dentro de nós, no Sacrário de nossa consciência, onde temos que discernir entre o Bem e o Mal.

Quem lutar em e com Jesus chegará vitorioso, e sentirá uma alegria que é eterna e que ninguém conseguirá arrancar. Dá até para aplicar aqui aquele ditado tão verdadeiro, 'Quem ri por último, ri melhor", as Forças do Mal serão todas elas destruídas em definitivo.

 

 

A Vossa tristeza se transformará em alegria – Diac. José da Cruz

 

 

       Dia 02 de Junho – Quinta Feira João 16,16-20                   

 

 

Tem coisas e acontecimentos em nossa vida que nos dá alegria e são alegrias sinceras, um emprego que arrumamos, uma aposentadoria que chega, um curso concluído, um diploma conquistado, a compra de uma casa, de um carro, de uma roupa nova ou de um equipamento eletrônico, enfim, são conquistas legítimas que nos dão alegria, entretanto, nenhuma dessas alegrias que experimentamos são definitivas, ao contrário, algumas duram mais e outras duram menos, mas todas se acabam e ao final da vida tornam-se em melancolias, que muitas vezes expressamos naquele velha e conhecida frase "Ai que saudades daquele tempo em que eu era feliz...". Porque não conseguimos reter em definitivo essas alegrias em nós?

Porque elas simplesmente passam e no ciclo da Vida humana nascemos, crescemos e depois há uma linha que desce e um belo dia o ciclo termina e com ele tudo o que somos, e tudo o que fizemos, nossas realizações e conquistas. Se ficarmos só nos limites da nossa existência terrena, isso nunca fará qualquer sentido.

A alegria que Jesus promete aos discípulos, não é efêmera e transitória, não será uma alegria decrescente como a humana, mas crescente, intensa, não em linha descendente, mas ascendente.

Os discípulos estavam enxergando sob esse ângulo, não conseguiam vislumbrar nada de novo, e quando Jesus anuncia-lhes que ficarão um pouco de tempo privados da sua presença, eles começam a se encher de muita tristeza. Ainda mais porque o Senhor insiste em dizer que "Vai para junto do Pai".

Jesus percebe essa tristeza presente neles e pretende consolá-los, revelando que jamais estarão sozinhos.

Quando em nossa comunidade, tornamo-nos maduros na Fé, e tomamos consciência dessa presença de Jesus na Igreja e em nossa Vida, experimentamos sim uma alegria,

Que não é um entusiasmo passageiro, mas algo que brota dessa esperança que o Senhor suscitou no coração de todos quantos crêem. Não é mais uma presença física e visível como antes da sua morte, mas uma presença espiritual, profunda e universal, somente reconhecida e experimentada na Fé, vivida e celebrada na Igreja!

 

 

 

O Espírito Santo receberá do que é meu e vo-lo anunciará - Rita Leite

01 de junho

Evangelho - Jo 16,12-15

 

 "Quando Ele vier, o Espírito da verdade, vós guiará em toda a verdade".

A ação do espírito santo se faz sentir ao longo dos séculos, é Ele que atualiza o anúncio da verdade que ele recebeu de Jesus e do Pai. É através do espírito que verdades vêm se confirmando e erros sendo esclarecidos.

Deus salva o homem por meio de Jesus cristo, esta compreensão da fé é obra do espírito santo. É pela ação do mesmo espírito que homens e mulheres se encontraram com a verdade que é Jesus, e por isso se doaram pela causa do reino. Sob a luz do espírito as sagradas escrituras foram sendo compreendidas e anunciadas para a salvação da humanidade. É o impulso do espírito que levam tantos a dar sua vida em prol do próximo, é através dele que se consegue ver no outro o próprio Jesus que sofre que é rejeitado e humilhado.

Somente pela força e poder do Espírito Santo que nós enfrentamos as dificuldades em nossas vidas. Iluminados pelo espírito santo somos capazes que entender a vontade de Deus em nossa vida e obedecer a seus mandamentos.

 Paulo escrevendo aos Efésios diz: "Foi por revelação que Deus me fez conhecer o mistério que acabo de expor brevemente". Isto é foi pelo espírito que ele conheceu Jesus e foi também pelo espírito que se tornou o grande missionário.

Guiados pelo espírito somos capazes de interpretar o mundo a partir da palavra e ação de Jesus. É através dele que somos testemunhas do amor de Deus. Sem o espírito não conseguiríamos fazer nada, pois a palavra nos diz: ninguém pode dizer Jesus é o senhor a não ser no Espírito Santo (1º Cor 12,3).

"Este conhecimento de fé só é possível no espírito santo. Para estar em contato com Cristo, é preciso primeiro ter sido tocado pelo Espírito Santo. É que ele nos precede e suscita em nós a fé, a vida, que tem a sua fonte no Pai e nos é oferecida no filho, nos é comunicada intimamente e pessoalmente pelo espírito santo na igreja". CIC 683

O espírito santo de Deus vem em nosso socorro para nos ensinar a rezar, pois nem sabemos o que pedir. Peçamos o Espírito Santo, o Pai o dará aquele que o pedir, que nossa vida e nossas ações sejam dirigidas por Ele e assim seremos mais felizes sendo conduzidos pelo Espírito.

Em Cristo

Rita Leite

 

 

A Vossa tristeza se transformará em alegria - Diácono José da Cruz

 

 

       Dia 02 de Junho – Quinta Feira João 16,16-20                   

 

 

Tem coisas e acontecimentos em nossa vida que nos dá alegria e são alegrias sinceras, um emprego que arrumamos, uma aposentadoria que chega, um curso concluído, um diploma conquistado, a compra de uma casa, de um carro, de uma roupa nova ou de um equipamento eletrônico, enfim, são conquistas legítimas que nos dão alegria, entretanto, nenhuma dessas alegrias que experimentamos são definitivas, ao contrário, algumas duram mais e outras duram menos, mas todas se acabam e ao final da vida tornam-se em melancolias, que muitas vezes expressamos naquele velha e conhecida frase "Ai que saudades daquele tempo em que eu era feliz...". Porque não conseguimos reter em definitivo essas alegrias em nós?

Porque elas simplesmente passam e no ciclo da Vida humana nascemos, crescemos e depois há uma linha que desce e um belo dia o ciclo termina e com ele tudo o que somos, e tudo o que fizemos, nossas realizações e conquistas. Se ficarmos só nos limites da nossa existência terrena, isso nunca fará qualquer sentido.

A alegria que Jesus promete aos discípulos, não é efêmera e transitória, não será uma alegria decrescente como a humana, mas crescente, intensa, não em linha descendente, mas ascendente.

Os discípulos estavam enxergando sob esse ângulo, não conseguiam vislumbrar nada de novo, e quando Jesus anuncia-lhes que ficarão um pouco de tempo privados da sua presença, eles começam a se encher de muita tristeza. Ainda mais porque o Senhor insiste em dizer que "Vai para junto do Pai".

Jesus percebe essa tristeza presente neles e pretende consolá-los, revelando que jamais estarão sozinhos.

Quando em nossa comunidade, tornamo-nos maduros na Fé, e tomamos consciência dessa presença de Jesus na Igreja e em nossa Vida, experimentamos sim uma alegria,

Que não é um entusiasmo passageiro, mas algo que brota dessa esperança que o Senhor suscitou no coração de todos quantos crêem. Não é mais uma presença física e visível como antes da sua morte, mas uma presença espiritual, profunda e universal, somente reconhecida e experimentada na Fé, vivida e celebrada na Igreja!

 

 

- Jesus cura dois homens dominados por demônios

Ano A - Dia: 29/06 


Mt 8,28-34


Inferno  e  satanás

O  inferno

A existência do inferno é um dogma da Igreja católica; trata-se de uma realidade criada por Deus para os anjos apóstatas e para os pecadores réprobos , aqueles que morrem apartados da graça divina.

O inferno é um lugar de padecimento eterno , de onde não se pode sair. As almas que padecem no inferno decidiram conscientemente seguir este caminho. Não foram predestinadas à pena eterna  Para quem não conheceu a mensagem evangélica, a forma de evitar a condenação eterna é a obediência à lei moral.

Não há luz no inferno, a única luz presente serve para ver melhor os gritos dos condenados. Cada órgão que ofendeu a Deus é punido em conformidade com o grau da ofensa; visão , inteligência, audição e assim sucessivamente.

A crença no Inferno é verificada em diversas passagens da Bíblia: Moisés (Dt. 32,22), Jó (10), Judite (16,21), Isaías (33,14 e 34,24), Jeremias (23,40), Daniel (12,2) e são João Batista (Mt. 3,12). Cristo assinalou quinze vezes, de modo mais explícito , como em Marcos (9,42), Lucas (16,19), e Mateus (25,41).

Também os Apóstolos se referiram repetidas vezes ao castigo do fogo eterno , como são Judas (c. 7), são Paulo (2Tes. 1,9) e são João (Ap. 14,11; 20,10).

Na Bíblia fala-se em Hades e Geena. A Geena era um lugar a o sul de Jerusalém onde alguns judeus idólatras entregavam seus filhos a um deus pagão para que fossem sacrificados. E lá, também , havia uma lixeira pública onde se queimavam carcaças de animais e corpos de condenados.

O Hades é um conceito pagão que significa o lugar para onde iam os mortos em geral, bons e maus. O Hades pagão era dividido em Elíseo e o Tártaro; o primeiro compartimento era reservado para os homens bons e justos, e o tártaro para os maus. Ao morrer , Cristo não desceu ao inferno para libertar os pecadores réprobos e destruir o inferno; quem morreu em pecado mortal encontrou a condenação eterna; jamais , portanto , do inferno sairá. Contudo , quem foi justo, morrendo sem pecados pessoais, antes da vinda de Cristo , encontrava-se no Limbo dos Patriarcas, o Seio de Abrãao, aguardando o momento da redenção definitiva de Cristo ser comunicada, para , assim, ingressarem, em definitivo , na beatitude celeste , limpos do pecado original.

Mesmo quem viveu antes de Cristo , teve a oportunidade de encontrar a salvação; este é o caso dos homens justos do Antigo Testamento que morreram sem a graça santificante, aguardando no limbo, a comunicação da vitória de Cristo sobre a morte para ingressarem na beatitude celeste. Eles não tinham pecados pessoais de caráter mortal, apenas não haviam recebido ainda a graça santificante , porque a missão de Cristo não havia se realizado durante seu período de vida . Com a ressureição do Salvador -- foram admitidos na glória eterna.

O  mal  no  mundo

O mal entrou no mundo porque Adão e Eva livremente cederam a Satanás e quiseram igualar-se a Deus , conhecendo a ciência do bem e do mal , e por isso foram condenados a viver fora do paraíso e da união com Deus.

Deus na Sua infinita misericórdia ofereceu sua lei , Sua mensagem e a promessa do envio de Seu Filho , para a redenção dos homens justos e de boa vontade.

O poder do perdão foi confiado por Cristo aos seus apóstolos. Sem o perdão divino , através de Cristo , não se pode entrar no paraíso.

Só entra no céu , quem é limpo do pecado original ; voltando à paz e a amizade com Deus pela graça justificadora do batismo.O pecado original nos privou da visão beatífica de Deus e daquelas virtudes sobrenaturais desfrutadas pela alma humana no Éden. O pecado mortal , por sua vez , é um pecado pessoal , ele exclui a graça em nossas almas e nos conduz ao inferno.

SATANÁS

Satanás é o adversário de Cristo

Os anjos foram criados por Deus , para glorificá-lo; alguns , não obstante , voltaram-se contra Deus e foram condenados ao padecimento eterno. A queda dos anjos apóstatas deve ter ocorrido após a criação do céu.

Por essa razão , por serem criaturas espirituais , os anjos decaídos apresentam algum poder extraordinário sobre a obra da criação , após a Queda de Adão . Os anjos apesar de serem criaturas não são ligados em sua existência às limitações de tempo . A Bíblia em nenhum lugar identifica Satanás como um ser humano.

Satanás é um ser espiritual e a Bíblia o descreve como "o príncipe da potestade do ar" (Efésios 2,2). Aparece, pela primeira vez, no Jardim do Éden (Gênesis 3), ele se opõe a Deus , porque decidiu fazê-lo, livremente . Deus certamente não o criou para o mal , pois a Bíblia nos diz claramente que não há mal associado a Deus (Tiago 1,13; 1João 1,5). Os anjos que se recusaram a servir a Deus foram expulsos do céu. Judas descreve o castigo dos anjos rebeldes no versículo 6 de sua epístola , e Pedro fala de anjos pecando, em 2Pedro 2,4. Satanás não faz a obra de Deus. Ele luta contra ela, tentando impedir a sua plena consecução. Satanás é o autor da morte , da miséria e do sofrimento. Ele sofre e faz sofrer.

Vários ministros de Satanás atuaram contra Jesus , como Judas , o Sinédrio e o poder romano. Enfrentamento que é a expressão antecipada do confronto que haverá no fim dos tempos . Coma vitória de Cristo sobre a morte, o poder de Satanás foi esmagado e a graça retonou ao mundo.

Nas Sagradas Escrituras

Satanás e o inferno são citados frequentemente no Antigo e no Novo Testamento.

O Velho Testamento indica que Satanás foi criado por Deus como um anjo governante, chamado lúcifer, com grandes poderes. Mas o orgulho levou Lúcifer a se rebelar contra Deus (Isaías 14,12-14; Ezequiel 28:12-15)

Lúcifer é transformado em satanás, que significa "adversário". Satanás é um poderoso anjo decaído, hostil a Deus e a Seu povo. O profeta Isaías (14,12-14) faz uma descrição figurativa da queda do rei da Babilônia , para alguns , uma analogia com a queda de Lúcifer.

Em Isaías 14,12-14, temos a passagem: "Como caíste do céu, ó estrela da manhã, filho da alva! Como foste lançado por terra, tu que debilitavas as nações! Tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu; acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono e no monte da congregação me assentarei, nas extremidades do Norte; subirei acima das mais altas nuvens, e serei semelhante ao Altíssimo."

Outra possível passagem sobre a origem de Satanás é Ezequiel 28,12-16: "... Assim diz o Senhor Deus: Tu és o sinete da perfeição, cheio de sabedoria e formosura. Estavas no Éden, jardim de Deus; de todas as pedras preciosas te cobrias: o sárdio, o topázio, o diamante, o berilo, o ônix, o jaspe, a safira, o carbúnculo e a esmeralda; de ouro se fizeram os engastes e os ornamentos; no dia em que foste criado, foram eles preparados. Tu eras querubim da guarda ungido, e te estabeleci; permanecias no monte santo de Deus, no brilho das pedras andavas. Perfeito eras nos teus caminhos, desde o dia em que foste criado até que se achou iniqüidade em ti. Na multiplicação do teu comércio, se encheu o teu interior de violência, e pecaste; pelo que te lançarei profanado fora do monte de Deus, e te farei perecer, ó querubim da guarda, em meio ao brilho das pedras."

Zacarias (3,1) diz : "Deus me mostrou o sumo sacerdote Josué, o qual estava diante do Anjo do Senhor, e Satanás estava à mão direita dele, para se lhe opor."

O nome Satanás é uma adaptação do hebraico 'satan' ; indicando um acusador , um queixoso que apresenta uma acusação - um adversário de Deus . No Novo Testamento , Satanás é apresentado de modos diferentes como 'diabolos', ou "acusador" (acusador do povo de Deus); Ap 12.9-12); Apoliom , "destruidor" (Ap. 9.11); "tentador" (Mt. 4,3; 1Ts 3,5); "maligno" (1Jo 5,18-19) e "Príncipe deste mundo" (Jo 12,31).

Satanás se opõe a nós , nos persegue , na tentativa de nos derrotar espiritual e moralmente. Jesus chamou-o de homicida e mentiroso (João 8,44) . Em Apocalipse 12,9, São João retrata Satanás como um dragão, enfatizando a sua natureza terrível . Esse mesmo versículo identifica-o como a serpente (Gênesis 3). Em Lucas 10,18, Jesus diz: "Eu via Satanás caindo do céu como um relâmpago." Trata-se de uma anjo decaído , um ser espiritual que usa a natureza para destruir , causar sofrimento , difundir o erro e levar as almas à perdição.

Seus poderes sobre a realidade criada são circunscritos. Os homens só são possuídos , se assim desejarem livre e conscientemente. A razão pela qual Deus permite que satanás tente os homens no mundo , é um mistério , mas Ele prometeu excluir definitivamente o mal da face da terra , no fim dos tempos.

Cristo , com sua morte e ressurreição , derrotou completamente o mal espiritual - a privação da vida divina. No fim dos tempos, o mal físico será definitivamente derrotado; os homens , então , não mais sofrerão e nem morrerão. No fim dos tempos, Deus irá julgar satanás e seus seguidores ; e eles serão expulsos definitivamente da terra pela ação do Cristo e de seus santos , que atuarão como instrumentos da vontade de Deus.

PASSAGENS BÍBLICAS SOBRE SATANÁS

O diabo é como um advogado de acusação - Apocalipse 12,10: "O acusador dos nossos irmãos. O qual diante do nosso Deus os acusa ..."

"Deve vir a apostasia e manifestar-se o homem da iniqüidade (anticristo), o Filho da perdição, o Adversário, aquele que se levanta contra tudo que é divino e sagrado, chegando até mesmo a sentar - se no Templo de Deus e a proclamar-se Deus...o Senhor Jesus o destruirá com o sopro de sua boca e o aniquilará com o esplendor da sua vinda. A vinda do Ímpio será acompanhada do poder de Satanás, de toda espécie de milagres, sinais e prodígios..." (2Tessalonissenses 2,3-9)

"A serpente era o mais astuto de todos os animais selvagens que o Senhor Deus tinha feito. Ela disse à mulher: "É verdade que Deus vos disse 'não comais de nenhuma das árvores do jardim?'" E a mulher respondeu à serpente: "Do fruto das árvores do jardim, podemos comer. Mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, Deus nos disse 'não comais dele nem sequer o toqueis, do contrário morrereis". A serpente replicou à mulher: "De modo algum morrereis. É que Deus sabe: no dia em que dele comerdes, vossos olhos se abrirão e sereis como deuses, conhecedores do bem e do mal (Gênese 3,1-5)

Satanás nas tentações de Jesus

"Em seguida, Jesus foi levado pelo Espírito ao deserto para ser tentado pelo diabo. Jejuou quarenta dias e quarenta noites, e depois teve fome. Aproximou-se, então, o tentador e lhe disse: "Se és filho de Deus, manda que estas pedras se transformem em pão". Mas Jesus respondeu: "Está escrito: Não é só de pão que vive o ser humano, mas de toda palavra que sai da boca de Deus". O diabo o levou, então, para a Cidade Santa, colocou-o no ponto mais alto do Templo e lhe falou: "Se és filho de Deus, joga-te daqui para baixo. Porque está escrito: A teu respeito ordenou a seus anjos e eles te carregarão nas mãos, para não tropeçares em alguma pedra". Jesus lhe disse: "Também está escrito: Não tentarás o Senhor teu Deus ". O diabo o levou ainda a um monte muito alto, mostrou-lhe todos os reinos do mundo com sua glória e lhe disse: "Tudo isso te darei se, caindo por terra, me adorares". Jesus, então, lhe falou: "Afasta-te, Satanás, pois está escrito: Adorarás o Senhor teu Deus e só a ele servirás". Então o diabo o deixou e anjos se aproximaram para servi-lo."

(Mt. 4,1-11)

"Havia na sinagoga um homem com um espírito impuro, que gritou: "O que queres de nós, Jesus Nazareno? Vieste para nos destruir? Sei quem tu és: o Santo de Deus!" Mas Jesus o intimou, dizendo: "Cala-te e sai deste homem". Agitando-o violentamente, o espírito impuro deu um grande grito e saiu. " (Mc. 1,23-26)

No Apocalipse (12,7-9)é dito que: "Houve peleja no céu. Miguel e os seus anjos pelejaram contra o dragão. Também pelejaram o dragão e os seus anjos; todavia, não prevaleceram; nem mais se achou no céu o lugar deles. E foi expulso o grande dragão, a antiga serpente, que se chama diabo e Satanás, o sedutor de todo o mundo, sim, foi atirado para a terra, e, com ele, os seus anjos".

A vitória de Cristo sobre a morte foi a derrota de Satanás ; - ele não poderia comemorar a morte de Jesus como uma vitória , porque Cristo libertou as almas da morte espiritual à qual estavam submetidas (João 19,30 ; Hebreus 2,14 e Colossenses 2,14-15 , 1Coríntios 15,3 e Apocalipse 13,8). Jesus sempre teve o poder sobre a vida e a morte e não Satanás . A "chave do reino dos céus" foi entregue por Jesus aos apóstolos (Mt. 16,19). As chaves da "morte e do inferno" pertencem ao Cristo (Ap. 1,18). O desejo do diabo foi impedir , desde o começo , a missão de Cristo (Mateus 2.16; Lucas 4,29-30; João 8,59 e Mateus 16,21-23) ; no Juízo Final o céu e a terra serão unidos , e o mal definitivamente eliminado da terra (Apocalipse 20,10). Os mortos serão ressuscitados em corpos gloriosos para a felicidade eterna junto a Deus.

prof.  Everton  Jobim

 

- Jesus andou sobre as águas.

Ano A - Dia: 28/06/2011


Mt 8,23-27

A  IMPORTÂNCIA  DA  ÁGUA

A água existe no universo há muitos e muitos milhões de anos, mas em estado sólido, como gelo, ou em estado gasoso, como vapor.

O único planeta conhecido em que se encontra água no estado líquido é o planeta Terra. E a água é justamente o elemento vital que diferencia o nosso planeta dos outros.

Foi na água dos oceanos que, há mais de 3 bilhões de anos, surgiram as primeiras formas de vida. Esses organismos foram se desenvolvendo, se desenvolvendo e, durante muito tempo, a água foi o único ambiente no qual podia haver vida.

Somente há 360 milhões de anos, mais ou menos, que apareceu um ser capaz de viver tanto na água quanto na terra. Depois surgiram os dinossauros, depois os mamíferos, e somente há 4 milhões de anos surgiram os primeiros seres humanos.

Tudo isso nos mostra como a água é importante em nossas vidas, os seres vivos têm seus organismos compostos por 2/3 de água, e o homem, ou qualquer outro animal, resiste a até trinta dias sem alimento, mas não suporta mais do que alguns poucos dias sem água. Apesar de estarmos acostumados a imagens de gigantescos mares e oceanos, e de sabermos que 2/3 da superfície da Terra são cobertos por água, quase toda a água existente em nosso planeta, é salgada, ou seja, não é boa para o consumo humano ou animal, sendo também imprópria para a lavoura.

Portanto os seres humanos, os animais e as plantas necessitam de água doce para viver. Apenas 3% da água existente é doce, além disso, apenas 1/3 dessa água doce não está debaixo da terra, nos lençóis freáticos, ou congelada nos pólos em forma de geleiras, calotas polares e icebergs.

No caso da água, este 1/3 é igual a 40 quintilhões de litros, mas toda essa água está em constante movimento, evaporando-se dos oceanos, rios e lagos, transformando-se em vapor e formando as nuvens na atmosfera. Quando o vapor se condensa, a água volta para a Terra em forma de chuva, granizo ou neve, este é o ciclo da água, que acontece por causa da influência do sol e da gravidade.

Parte da água que cai sobre a terra se distribui pela superfície, e assim são formados os lagos, os rios e os riachos, e a parte da água que cai e se infiltra no solo vai ser absorvida pelas plantas ou vai alimentar os lençóis freáticos, ou seja, lençóis subterrâneos de água que alimentam nascentes e poços.

Você Sabia?
75 % do Planeta Terra é composto de água e 75 % do Nosso Corpo é composto por água

 

- O Filho do Homem não tem onde repousar a cabeça – Sal

Ano A - Dia: 27/06/2011
Mt 8,18-22


            O mundo de hoje está cada dia mais apegado aos bens materiais.  Em busca de dinheiro muita gente é capaz de tudo, ou quase tudo. No Evangelho de hoje, Jesus mostra aos discípulos atuais, que devemos confiar na providência de Deus. Que devemos ter muita fé, e continuar o nosso trabalho missionário sem nos preocupar com dinheiro, pois Deus proverá. E Jesus, o próprio Deus, não tinha onde encostar a sua cabeça para o descanso. Assim, também, nós não devemos nos preocupar. Vamos acreditar no dízimo. Na contribuição das almas caridosas e conscientes, que irão contribuir para que seja levado o Evangelho ao mundo todo.

            Através da fé, as pessoas acreditam que o dízimo não é uma esmola nem uma obrigação, muito menos uma despesa.

A fé é o fundamento da esperança; é uma certeza a respeito do que não se vê. Foi ela que fez a glória dos nossos antepassados. Pela fé, reconhecemos que o mundo foi formado pela Palavra de Deus e que as coisas visíveis se originaram do invisível (Hb 11,1-3).

 

A fé é meio indispensável para nos relacionarmos com a Salvação de Jesus. Certamente só Jesus Salva, mas o meio pelo qual a salvação chega a nós é a "FÉ" (At 10,43; Rm 5,1-2).

 

Esta fé, "um dom de Deus", é a força e alimento na caminhada do homem. Assim, cuida de si, das coisas de Deus e do seu plano. Com a fé, crê-se, acredita e confia nas obras do Reino.

 

O plano do Reino se alicerça da fé, do crer, se doar, do amor e da partilha. Por isso, confiantes em Deus é infinitamente gratificante saber que Ele nos recebe, recebe nosso amor e nossa partilha. Pela partilha, acolhe o dízimo como um presente que o agrada e o deixa feliz; a exemplo da oferta da viúva (Lc 21,1-4).

 

- O dízimo é a devolução a Deus, daquilo que já é de Deus.

 

- O dizimo não é imposto, taxa, pagamento, contribuição, porque ele não precisa; Não é resto do que sobra que oferecemos, mas nosso dízimo é exatamente a resposta da fé, do amor, obediência e reconhecimento; pois tudo o que somos e que temos, vem D'Ele.

 

- O dízimo é uma atitude de fé. É consciência de que uma parte dos nossos rendimentos é de Deus e, conseqüentemente da comunidade. Por isso, ele é devolvido para manutenção da Paróquia, sustento do culto, sacerdotes, bispos, seminários, das missões e da ação social da Igreja.

 

- O dizimo significa o exercício da fé. Mas, só haverá compreensão do seu verdadeiro espírito e sentido, quando acontecer de forma pessoal uma experiência profunda, diante da essência e o mistério do Criador, quanto a "partilha".

 

A partilha é uma resposta de amor á Palavra de Deus. É um caminho que direciona o homem a experiência do dizimo.

 

Além da sua devolução; seria necessário que cada um entendesse profundamente esses ideais de Deus: "reinar partilha e igualdade no seio do povo e na Igreja". Esse é o projeto e propósito de Deus, para a humanidade e sua Igreja.

 

O segredo da partilha esta na fé, na obediência da Palavra de Deus, e no desejo de se ver um mundo renovado, um povo, uma comunidade, uma Igreja, viva e alegre (At 2,42-47; At 4,32-35; ITim 6,17-19).

 

Se nosso coração ainda não se abriu de verdade na DEVOLUÇÃO DO DIZIMO é preciso pedir fé e sabedoria que vem d'Ele.

 

- É preciso pedir fé total, sem reservas, que penetre no coração, no pensamento, na maneira de julgar as coisas divinas e humanas.

 

- É preciso pedir uma fé que seja forte, que não tema os problemas, a oposição daqueles que contestam, a atacam, a recusam e a negam. Mas, que nossa fé resista do desgaste, da critica, que ultrapasse as dificuldades espirituais e temporais, permanecendo constantemente firme no Senhor Jesus.

 

Enfim, só entenderemos o valor e a dimensão da partilha "do dízimo"; quando nossa fé for viva, alegre, autêntica, atuante, envolvida da caridade, justiça, humildade, paz, dócil à Palavra de Deus e alimento da nossa esperança.

 

Diante do contexto da fé, que o dízimo possa nos educar mais ao amor, a misericórdia, justiça e ao plano da partilha. Seremos assim mais generosos e Deus será mais generoso conosco.

 

Com a proteção de Deus, as bênçãos de Jesus, iluminados pelo Espírito Santo; seremos um só povo (Jô 17,21); para o bem do próprio povo; pois o dizimo que devolvemos a Deus, doamos a nós mesmos "o povo amado e querido de Deus".

Que assim seja, hoje e sempre. Amém!