BOM DIA

BEM VINDOS AOS BLOGS DOS

INTERNAUTAS MISSIONÁRIOS

SOMOS CATÓLICOS APOSTÓLICOS ROMANOS, MAS RESPEITAMOS TODAS AS RELIGIÕES. CRISTÃS OU NÃO.

CATEQUESE PELA INTERNET

LEIA, ESCUTE, PRATIQUE E ENSINE.

PESQUISAR NESTE BLOG - DIGITE UMA FRASE DE QUALQUER EVANGELHO

30 de set de 2011

Felizes aqueles que os olhos vêem para além das aparências, felizes aqueles que vêem Jesus Cristo no irmão - Maria Regina.



                                            Jesus no Evangelho abre os olhos dos Seus discípulos para que entendessem que a verdadeira alegria consiste em fazer a vontade de Deus. Eles se contentavam e se rejubilavam apenas porque os demônios lhes obedeciam quando falavam em Seu nome. Jesus mostrou-lhes que alegria muito maior é aquela que acontece no céu, quando atendemos ao chamado de Deus para falar em Seu Nome. Para nós, hoje, também é uma glória saber que os nossos nomes estão escritos no céu, porque nos dedicamos a evangelizar pregando a boa nova por onde andamos.
                                     Como batizados , somos enviados  por Jesus a pregar o Evangelho a toda criatura, em todo o mundo. Porém, o nosso serviço só dará frutos se também nos sentirmos pequeninos, necessitados da graça de Deus. Assim como exultou no Espírito Santo diante dos Seus discípulos, Jesus também o faz hoje, porque o Pai nos revela as coisas do Seu coração. Só os humildes e pequeninos podem “entender” os mistérios do céu. Só quem conhece o Pai é o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar, por isso, entreguem-nos às sugestões do Espírito Santo a fim de podermos conhecer o Pai.
                               Somos felizes porque os nossos olhos veêm mais além das aparências e podemos, na reflexão da Palavra de Deus, descobrir os Seus mistérios, os Seus planos para nós e para a humanidade, por nosso intermédio. Ver e ouvir o que o Senhor tem para nos revelar: são essas as ações a que somos chamados  no tempo atual da nossa vida. Não percamos tempo: o Senhor tem muito a nos mostrar e também, a nos falar.Reflitamos:- Você é uma pessoa atenta aos mistérios de Deus?- Quando você medita sobre a Palavra de Deus  se limita ao que está escrito, ou  percebe nas entrelinhas uma mensagem para a sua vida?  – Você confia em que o seu nome também está escrito no céu? - Você tem falado em nome de Deus?
Amém
Abraço carinhoso
Maria Regina 

Nós conseguiremos ter um mundo melhor -Alexandre Soledade




Bom dia!
Vejo uma profunda ligação dessa passagem com algo que ocorreu com Jonas e os Ninivitas.
“(…) Jonas foi pela cidade durante todo um dia, pregando: Daqui a quarenta dias Nínive será destruída. Os ninivitas creram (nessa mensagem) de Deus, e proclamaram um jejum, VESTINDO-SE DE SACOS DESDE O MAIOR ATÉ O MENOR. A notícia chegou ao conhecimento do rei de Nínive; ele levantou-se do seu trono, tirou o manto, COBRIU-SE DE SACO E SENTOU-SE SOBRE A CINZA. Em seguida, foi publicado pela cidade, por ordem do rei e dos príncipes, este decreto: Fica proibido aos homens e aos animais, tanto do gado maior como do menor, comer o que quer que seja, assim como pastar ou beber. Homens e animais se cobrirão de sacos. TODOS CLAMEM A DEUS, EM ALTA VOZ; DEIXE CADA UM O SEU MAU CAMINHO E CONVERTA-SE DA VIOLÊNCIA QUE HÁ EM SUAS MÃOS. Quem sabe, Deus se arrependerá, acalmará o ardor de sua cólera e deixará de nos perder! Diante de uma tal atitude, vendo como renunciavam aos seus maus caminhos, DEUS ARREPENDEU-SE DO MAL QUE RESOLVERA FAZER-LHES, E NÃO O EXECUTOU”. (Jonas 3, 4-10)
Deus, em muitas narrativas do antigo testamento, é apenas mencionado pela dureza da sua justiça aos que preferem o mal; no novo testamento, Jesus esforça-se em apresentar o Deus amoroso e compassivo. O Evangelho de hoje reafirma a presença soberana do Deus justo.
Quando acontecem as fatalidades do dia-a-dia clamamos ardentemente pela justiça divina, mas quando somos nós os grandes opressores, pedimos a Sua misericórdia. Deus nunca, nem no novo e nem no antigo testamento deixou de olhar com justiça sendo assim compreensível a idéia que realmente precisamos TAMBÉM mudar.
Algo me chamou muito atenção numa fala de um padre da minha comunidade: “Será que somente rezar é suficiente”? Trazer essa reflexão é importante, pois nos trás de volta ao compromisso que temos com minha própria salvação e com a dos que me cercam sendo assim, inconcebível a idéia de salvação sem a cruz.
O mais engraçado é que todos sabem o que é certo e o que é errado, mas por que então não fazemos somente o correto? Passamos boa parte de o nosso tempo a justificar, para mim mesmo e para os outros, os atos e gestos (erros) que eu desde o começo sabia que não era para serem feitos. Sabemos que é errado, mas não conseguimos deixar de fazer… “(…) Ai de você, cidade de Corazim! Ai de você, cidade de Betsaida! Porque, SE OS MILAGRES QUE FORAM FEITOS EM VOCÊS TIVESSEM SIDO FEITOS NAS CIDADES DE TIRO E DE SIDOM, OS SEUS MORADORES JÁ TERIAM ABANDONADO OS SEUS PECADOS HÁ MUITO TEMPO”.
Iniciamos hoje o mês missionário e com ele a reflexão que precisamos antes de tudo começar pela conversão daquele (a) que vemos no espelho todos os dias. Talvez se conseguirmos convertê-lo (a) ou pelo menos fazê-lo (a) cair menos vezes, conseguiremos ter um mundo melhor.
Precisamos muito que isso aconteça, pois Deus é Justo e também será justo com nossa luta em buscarmos sermos alguém melhor do que já somos hoje.
Uma possível conclusão: Se sei o que é errado e tenho convicção disso devo começar minha caminhada de dentro pra fora. Sendo assim…
“(…) Além disso, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é nobre, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, tudo o que é virtuoso e louvável, eis o que deve ocupar vossos pensamentos”. (Filipenses 4,8)
Um imenso abraço fraterno.




29 de set de 2011

Por causa da nossa dureza de coração nós não conseguimos ser instrumentos de Deus. - Maria Regina




                              Jesus recriminava o povo das cidades aonde Ele realizava os milagres. Diante de tantos prodígios que Ele operava nem por isso, eles abriam os olhos e mudavam de atitude. Não se convertiam, não progrediam espiritualmente e davam contra testemunho para as outras cidades. Corazim, Betsaida, Cafarnaum, somos cada um de nós que vemos de perto os  milagres do Senhor na nossa vida,  mas continuamos os mesmos. Por causa da nossa dureza de coração nós não conseguimos ser instrumentos de Deus para os que nos “escutam” falar em Seu Nome. 
                         Propomo-nos a edificar o reino de Deus aqui na terra, falamos em Seu Nome, mas não agimos conforme pregamos.  Se, falamos, mas não agimos, estamos contribuindo para que Jesus seja rejeitado, tendo em vista as nossas más ações diante dos homens. Pensamos que estamos indo para o céu, mas na verdade, estamos sendo atirados ao inferno que é a ausência da presença de Deus. O mundo precisa de testemunhas fiéis de Jesus, para ser restaurado e nós, estamos jogando fora o tempo precioso em que estamos vivendo.
                         Mais uma vez as leituras de hoje nos remetem ao arrependimento dos nossos pecados. Por isso, hoje, somos chamados  por meio dessa liturgia a repensar as nossas ações e a nos comprometermos com uma mudança nas nossas atitudes. A fé remove montanhas e o testemunho da nossa fé irá transmudar o nosso coração e a vida do povo de Deus. Reflitamos:– A sua pregação tem sido eficaz diante dos homens? – Você fala e vive o que fala? – Você tem sido instrumento de atração ou de rejeição das pessoas para Jesus?  – Você tem certeza de que vai para o céu? – Você tem “visto” os milagres de Deus na sua vida?
Amém
Abraço carinhoso
Maria Regina

" Na minha casa mando eu..." - José da Cruz diácono


15 de Outubro
Evangelho Lucas 12, 8-12
                                                      
Eis uma frase muito polêmica que muitos pregadores em cima dela deitam e rolam, favorecendo esta ou aquela eclesiologia, esta ou aquela tendência. Afinal o que é o tão falado "Pecado contra o Espírito Santo", cada um tenta explicar de acordo com os seus interesses, se eu for de uma teologia mais conservadora, claro que vou dizer que, pecar contra o Espírito Santo é ser progressista, por exemplo, usando uma outra linguagem, dissimulando a verdade. Se ao contrário, eu for progressista, vou dizer que pecar contra o Espírito Santo é não pensar desta forma, mas ser ultra conservador.
Na casa onde moramos só entra quem nós permitirmos, se alguém entrar sem nossa autorização, é invasão de propriedade. De maneira bem simples, pecar contra o Espírito Santo é eu não aceitar, não acreditar e nem consentir que o Espírito de Deus haja em minha vida. É fechar a porta da nossa vida e não admitir interferência de Deus, mais ou menos o que já faz o homem da pós-modernidade. Acredito em Deus, mas Ele que fique prá lá, e eu para cá, fazendo o que me der na cabeça, fazendo o que eu acho certo, sem  censura alguma. É o homem romper com Deus e levar a sua vida a bel prazer, truncando qualquer ação do Espírito Santo, recusando-se a perceber a presença do Divino em nossa existência.
Simplesmente porque o homem da pós-modernidade pensa que Deus só atrapalha, porque quer anular a Vontade Humana e parece até Cabo de Guerra, Deus puxa para um lado, e o homem para o outro. Naturalmente, indispor-se contra o Espírito Santo é não reconhecer Jesus diante dos homens, negando toda a obra da Salvação que ele realizou a nosso favor.
No Espírito Santo, Deus e Homem andam juntos, tornam-se parceiros, levando uma Vida  em comunhão, blasfemar contra o Espírito Santo é menosprezar o seu Poder, é negar a sua Graça operante e santificante em nossa vida, é negar qualquer possibilidade de Salvação, ou ao contrário, acreditar que ela poderá acontecer por meios meramente humanos. Jesus de Nazaré movia-se na Força do Espírito Santo, como ungido do Pai. Assim também deverá ser cada cristão, entretanto, apesar de todo Poder do Espírito, cada homem poderá abrir ou fechar-se a essa ação pois, Deus só faz se o homem consentir fazendo uso da sua sagrada Liberdade.....

"Quem tem medo do Lobo Mau...." - José da Cruz diácono


14 de Outubro
Lucas 12, 1-7
                                                  
Assim dizia o refrão desta música infantil, cantada dentro da história, pelos três porquinhos Cícero, Prático e Heitor, que se organizaram para enfrentar o Lobo Mau...  O refrão era uma forma de encorajamento. Quem não tem medo de algo, não é humano, pois o temor faz parte da natureza humana e todo Herói destemido sem o seu ponto fraco, ou como se diz, o seu calcanhar de Achiles.
Jesus diz abertamente a seus discípulos nesse evangelho, que o Mal, no caso, a hipocrisia dos Fariseus, cedo ou tarde será desmascarado, pois não resistirá ao Bem. A insegurança e o medo fazem parte da vida na pós modernidade e em nosso dia a dia, quantas situações em que nos sentimos  inseguros e impotentes, a mercê das Forças do Mal. São assaltos, violência contra as pessoas, atentados, dos quais nem o Papa escapa, mortes e assassinatos, crimes hediondos, chacinas, a violência no trânsito, nos estádios esportivos, brigas entre gangues, violência policial, e vai por aí afora, isso tudo fora as intempéries do tempo e do planeta, que apenas responde ás agressões que o homem lhe faz. A verdade é que, todo dia o mundo pode acabar, para alguém, por uma dessas circunstâncias.
O que Jesus coloca nesse evangelho é o perigo de termos um medo exagerado das Forças do Mal, e recuarmos diante dele, entregando os pontos, como se diz, quando se deixa de lutar, e se reconhece a vitoria e a supremacia do "outro". Na vida de um cristão isso jamais deveria ocorrer!
Simplesmente porque, o Bem que parece oculto e fragilizado em nossa sociedade, vai atingir a sua plenitude no Reino definitivo, pois o Mal já perdeu o primeiro Rond quando Jesus calou o mundo com o seu supremo gesto de amor, ao morrer na cruz do calvário.
Não acreditar nesse Bem, é loucura das parte do homem, pois a busca desse Bem, que só se encontra em Jesus Cristo, é que dá pleno sentido á nossa Vida. e nada há de mais valioso neste mundo, do que esse dom. Guardar do Fermento dos Fariseus, é justamente não dar trela aos valores, ideologias, usos e costumes ditados pela Pós modernidade, e que contrariam os valores do evangelho de Cristo.
Quem entrar nessa onda, e viver em função desse imediatismo, sem considerar a escatologia que irá mostrar quem é o verdadeiro vencedor, é sem dúvida alguma embarcar em uma canoa "furada", é deixar a estrada e pegar o atalho, que não levará a lugar nenhum...

"Os Donos da verdade"- José da Cruz diácono


13 de Outubro
Evangelho Lucas 11, 47-54
                                                              
Em uma discussão sobre algo polêmico, quando queremos desmontar os argumentos do lado contrário, logo afirmamos indignados, que tal pessoa quer ser a Dona da Verdade, querendo que todos assimilem e digam AMÉM  á sua doutrina e ideologia. Entretanto, o que se pretende com essa afirmação, nada mais é do que apregoar que a nossa Verdade é mais autêntica ou genuína do que a do adversário. Mas quem está com a Verdade? Nas ideologias políticas, na questão social ou econômica, e até na questão religiosa. O problema não é tanto saber quem está com a Verdade, o problema é, não reconhecer nenhum valor positivo na Verdade do "outro", achando que a nossa Verdade é absoluta e inquestionável...
Jesus nunca pretendeu anular a Lei antiga, jamais pregou contra o judaísmo, apenas procurou, com seus ensinamentos e modo de viver e de se relacionar, uma coerência com a Verdade Divina revelada na Escritura Antiga, Verdade que havia sido deturpada pelos homens, fazendo da Religião não mais um instrumento Divino de Libertação, mas sim um mecanismo de manipulação, opressão e exploração.
É precisamente nesse contexto que surge e se torna intenso o confronto com os escribas e Fariseus, que monopolizavam o poder religioso da época, colocando-se como os Donos absolutos da Verdade, e anulando e condenando qualquer manifestação contrária a tais princípios.
Compreendida a situação, que é o pano de fundo desse quadro, é preciso ter coragem e ao mesmo tempo humildade, para olhar as comunidades cristãs hoje, e se perguntar com toda sinceridade, se não há ideologias estranhas manipulando a consciência do Povo de Deus, pois certas lideranças Clericais ou Laicas, podem sim, ter a mesma conduta dos escribas e fariseus, colocando-se como "Donos da Verdade Religiosa", impondo aos demais um pesado fardo, obstruindo, com um ridículo autoritarismo, a entrada no Reino de Deus, aos demais da comunidade... Na consciência desses deve ecoar a tenebrosa ameaça "Ai de Vós......"

"APARECIDA E O VINHO NOVO!" - José da Cruz diácono



12 de Outubro
Evangelho João 2, 1-11

Pertencemos a uma sociedade sacudida pela violência, diante da qual nos sentimos impotentes, onde predomina o sentimento de insegurança e medo, a chacina de jovens e adolescentes vai ganhando proporções alarmantes e assustadoras, há, por outro lado, uma falta de perspectiva por parte dos jovens, os escândalos de ordem moral, em instituições consideradas inabaláveis, são denunciados a cada dia pela grande mídia. Dizem que o Brasil, não tem mesmo jeito, porque a nossa origem lá na época do descobrimento, já estava podre e corrompida, e quem veio para cá era gente sem moral, sem escrúpulo e sem nenhum compromisso com a ética e a moral.
Na família, há centenas de casamentos de curta duração, uniões ilegítimas aumentam, o estado quer reconhecer como legítima, uma horrível caricatura da Instituição Familiar, desmantelam e desmoronam valores sagrados na ética e na moral cristã,  se de um lado a humanidade avança em velocidade espantosa no mundo científico, tecnológico, nas comunicações e informática, por outro, as pessoas vão sendo acometidas de inúmeras enfermidades orgânicas e psicossomáticas, as coisas boas e os acontecimentos alegres duram pouco, e não conseguem nos livrar do peso das forças do mal, que vão nos levando para o caos em meio a desordem estabelecida.
Nem o fenômeno religioso consegue reverter esse quadro, os templos suntuosos cada vez mais lotados, tomados por uma multidão de coração vazio, que busca muitas vezes na espiritualidade algo que ela não pode dar: a solução de tantos problemas originados pelo pecado, como o egoísmo, a luxúria, a proliferação de falsas divindades que prometem vida, felicidade e liberdade, e que arrebanham a cada dia novos adeptos, arrastados impiedosamente para a desgraça e a morte, entre eles a Droga e a Prostituição, uns dizem que já chegamos ao fundo do poço, outros mais pessimistas, acham que o pior ainda não aconteceu. O fato é que certa tristeza tem invadido o coração do homem deste terceiro milênio.
Em uma sociedade assim, inquieta, insegura e temerosa, traumatizada por tanta dor e sofrimento, marcada pela injustiça e desigualdade, a V Conferência Geral do Episcopado Latino Americano e do Caribe, realizada de 13 a 31 de maio de 2007 em Aparecida, resgata o nosso papel de Discípulos e Missionários de Jesus Cristo, fazendo um forte apelo para que proclamemos aos homens a Verdade de Deus, revelada em Jesus Cristo, porém, o que leva alguém a ser cristão não é uma decisão ética ou uma grande idéia, , mas sim um encontro com um acontecimento, com uma pessoa: Jesus Cristo, que dá um novo horizonte à vida, e com isso uma orientação decisiva de se viver bem, vivendo em Deus. Foi essa a experiência dos primeiros discípulos, que os evangelhos nos apresentam, um encontro de fé com a pessoa de Jesus.
Neste dia de Nossa Senhora Aparecida – Padroeira do Brasil, o evangelho das Bodas de Caná é um convite a irmos ao encontro do único e verdadeiro amor de nossas vidas, Maria aparece como a intercessora e mediadora, aquela que sabendo olhar a necessidade dos irmãos, vai dizer ao Filho que está faltando algo essencial para uma festa.
A devoção popular é citada pelo documento de Aparecida, que tornou-se uma importante referência nas reflexões da Igreja,  como um dos muitos elementos que propiciam esse encontro pessoal com Jesus Cristo e nesse sentido, considerando-se toda a história de Aparecida, desde o século XVIII, podemos afirmar sem medo, que Maria nunca deixou faltar no coração dos cristãos da América Latina, esse vinho novo da graça de Deus.
O Deus dos cristãos continua obstinado em seu amor pelos homens. Com a mediação de Maria, Jesus oferece em nossos conturbados tempos, o Vinho novo, de incomparável sabor, que não caiu do céu, mas surgiu a partir da água da purificação, Jesus transforma a antiga forma de se relacionar com Deus, no Judaísmo, em uma relação nova, onde basta ao homem crer e abrir o seu coração para esta graça que une para sempre Deus e o homem, solidificando a comunhão um dia rompida, e pela qual Jesus pagou com a vida ao morrer na cruz., descendo com o homem ao fundo do poço para de lá resgatá-lo e libertá-lo, vitorioso e ressuscitado, arrancando-o da vida sem graça, dominada pela morte do pecado, e devolvendo-o ao paraíso, na condição de Filhos e Filhas de Deus.
Esse processo de ressurreição é dinâmico e acontece todo dia, hora e momento, o Cordeiro Santo, Perfeito e Imaculado, se casa com a sua Igreja, tornando-a sem ruga e sem mancha, de modo que nem os pecados da Igreja conseguem abalar esta íntima comunhão. Esse casamento de Deus com o homem, na encarnação de Jesus, deverá ter um final feliz, porém, como povo da Nova Aliança, não teremos uma segunda chance, quem recusar esse amor e buscar os amores ilusórios e efêmeros, nos amantes e deuses da Modernidade, sentirá um dia na pele e no coração, a dor de ter perdido para sempre o autêntico e verdadeiro amor de sua vida.
Somos essa Igreja, a noiva do Senhor, por quem ele dá a vida, a espera da Lua de Mel, da Vida Eterna, para a qual ele nos conduzirá. Por hora, só é preciso uma coisa: FAZER TUDO O QUE ELE NOS DISSER, como nos pede Maria, Mãe de Jesus, a primeira a experimentar a delícia desse amor Divino.
Essa noiva das Bodas de Caná tem um rosto e um nome, é você, sou eu, são todos os que buscam a Deus em Jesus Cristo, é também o rosto de cada homem, desfigurado pela tristeza do pecado, a espera desse vinho da eterna alegria...
José da Cruz é diácono permanente
da Paróquia Nossa S. Consolata-Votorantim
e-mail: cruzsm@uol.com.b

As aparências enganam... - José da Cruz diácono


11 de Outubro
Evangelho Lucas 11, 37-41
                                                        
___São Lucas, porque o Senhor lembrou-se desse fato e fez questão de  refletir  junto ás suas comunidades quase 80 anos após ele ter ocorrido? Dá para o Senhor explicar o contexto?
__  Sem dúvida, farei isso com o maior prazer, vocês sabem que nossas primeiras comunidades não eram homogêneas, todas iguaizinhas, mas havia uma mistura de culturas e de crenças religiosas, tinha membros que vieram do paganismo e nada sabiam das práticas judaicas, tinha outros que vieram do judaísmo, e estes, muito conservadores , de vez em quando tinham uma recaída e super valorizavam os rituais, dando enfoque aos ritos de purificação e se esqueciam do essencial que era a intenção interior, dentro do coração humano onde só Deus tem acesso.
___Mas o Fariseu era gente boa, afinal convidou Jesus para jantar em sua casa....Por que a censura?
___Por que no fundo esse Fariseu queria "domar" Jesus Cristo, eles admiravam muito a Jesus e o tinham em conta de um Mestre Sábio e Verdadeiro, mas queriam enquadrá-lo nas suas práticas religiosas e nos seus exagerados legalismos rituais e Jesus está muito acima de qualquer liturgia ou ritual....
___Nossa São Lucas, é isso ? E esse recado vale também para nós cristãos deste terceiro milênio?
___E como vale ! As vezes há cristãos que querem dominar Jesus Cristo, enquadrá-lo e defini-lo dentro de um determinado padrão de vida, isso é puro farisaísmo. O cristianismo autêntico e sincero, entende-se pela pureza de coração como a ausência do egoísmo, coração puro é um coração que sempre amplia seu horizonte, aprimorando cada vez mais o seu jeito de amar as pessoas, configurando-se cada vez mais a Jesus Cristo.
___ E o que o Senhor diria então, aos cristãos do nosso tempo, com este seu evangelho....
___Que não se deixem enganar pelas aparências, o importante é o conteúdo, o que está por dentro, e não a embalagem, o rótulo. Se as celebrações não expressarem a Vida da comunidade, é sinal de que o Farisaísmo ainda está em alta, e tem muita gente pousando de "santa", comendo a "casca"  e jogando a "fruta" fora.....

A importância do SINAL - José da Cruz


10 de Outubro
Evangelho Lucas 11, 29-32
                                                      
Às vezes me ocorrem certos pensamentos estranhos. Hoje em pleno trânsito fiquei imaginando como seria se não tivéssemos os Sinais Verde, amarelo e vermelho, dos nossos Semáforos, ou dos Faróis, como dizem os mais antigos, certamente seria o caos, como é que eu iria saber se posso ou não avançar em um cruzamento, se não houvesse nada para sinalizar essa possibilidade?
Então precisamos dos benditos Sinais, entretanto, eles de nada adiantariam se a gente não conhecesse o significado de cada um deles, e o mais importante, lhe déssemos crédito. Certamente que conhecer os sinais de trânsito, todo condutor conhece, porque teve que teve essa informação em seu aprendizado, mas será que eles acreditam, isto é, obedecem a sinalização? O número de acidentes de trânsito em cruzamentos, demonstram que muitos não acreditam no que sinalizam os nossos Semáforos. Amarelo preste atenção, vai mudar o sinal, Vermelho, pare imediatamente, não ultrapasse, Verde, pode passar. A questão é que, no mesmo instante em um cruzamento, passam centenas de veículos, e todos têm que conhecer e acreditar nos sinais, colocando em prática o que está sendo sinalizado.
Melhor exemplo não há, para refletir esse evangelho, pois usando de uma pedagogia espetacular, Jesus usa esse método dos sinais para inaugurar a presença do seu Reino. Ontem, hoje e sempre, no mundo haverá pessoas que virão o sinal, acreditarão nele e viverão de acordo com o que lhes foi sinalizado, outros, ao contrário, não darão a mínima, embora tenham conhecimento e vejam os sinais.
Esse sinal, mais que convincente, é Jesus de Nazaré, o Filho de Deus encarnado em nossa natureza humana, pois o homem tem toda sua existência para fazer essa experiência com Jesus Cristo, é verdade que há os que ainda não o conhecem, e aqui a reflexão cobra de cada um de nós cristãos uma dedicação missionária mais autêntica, de uma Igreja que sai de si mesma e vai ao encontro do outro lá onde ele vive, onde trabalha, onde estuda.
Fecharia a reflexão fazendo uma pergunta importante: Será que os Sinais do Reino de Deus, que nossas comunidades cristãs mostram ao mundo, são sinais convincentes? Que Jesus nós anunciamos, que evangelho pregamos, que Cristianismo vivemos? O sinal de Jonas convenceu os Ninivitas, Salomão e o dom Divino da sua sabedoria, atraiu até a Rainha de Sabá. Cristo Jesus é superior a todos esses sinais, mas será que o estamos mostrando ao mundo ou nossa luz anda meio apagada, como cristãos vagalumes, acendem um pouquinho, de vez em quando, nos finais de semana, mas depois logo apagam....

Quem era Natanael? -Alexandre Soledade




Bom dia!
Primeiro ponto: Quem era Natanael? Nada mais que Bartolomeu, aquele que viria a ser um dos discípulos de Jesus. Sua lembrança é comemorada dia 24 de agosto. Então por que esse evangelho esta sendo visto hoje? Não é pelo dia, mas pela promessa feita por Jesus.
“(…) Eu afirmo a vocês que isto é verdade: vocês verão o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do Homem”.
Segundo ponto: Temos ainda muita dificuldade em acreditar no que ainda não vimos. Ou será que vimos, mas não reconhecemos?
Hoje a igreja celebra o dia dos “mensageiros dos decretos divinos” ou Arcanjos. Celebramos Miguel (Ninguém é como Deus), Rafael (Deus te cura) e Gabriel (Deus é meu protetor). Será que concebemos nos dias de hoje “repletos” de bruxinhos, vampiros bonzinhos (risos), a idéia de anjos ao nosso redor? Concebemos a idéia de seres iluminados e alados a nos guardar por intermédio da vontade divina?
Esse fato chega a ser intrigante… Até pouco tempo atrás a concepção de anjos ou foi por muitos esquecida, em especial pelos jovens, ou banalizada pelos exotéricos. Era anjo da sorte, da prosperidade, da saúde (e não era o Rafael não)… Vimos aos poucos o comércio, a mídia, os oportunistas transformar o “agente sob as ordens de Deus” em um empregado dos nossos desejos. Talvez essa “popularização” tenha surtido o efeito contrário e ter colaborado para que  tenhamos a dificuldade de imaginá-los no cotidiano de nossas ações. Eles estão presentes, mas sensíveis aos olhos e sentimentos dos mais simples e abertos ao projeto e ao amor de Deus.
Essa sensibilidade provavelmente advenha do reconhecimento (ou fé) que Deus nos ama e cuida de nós.
Podemos notar esse pelas coisas que inexplicavelmente acontecem em nossas vidas e daqueles que nos cercam. Prefiro chamar essa teia de coincidências de cumprimento irrestrito da aliança.
“(…) Reconhece, pois, que o Senhor, teu Deus, é verdadeiramente Deus, um Deus fiel, que guarda a sua aliança e a sua misericórdia até a milésima geração para com aqueles que o amam e observam os seus mandamentos, mas castiga diretamente aqueles que o odeiam, exterminando-os, e infligindo sem demora o castigo direto àquele que o odeia… Se ouvirdes esses preceitos e os praticardes fielmente, o Senhor, teu Deus, guardará para contigo a aliança de misericórdia que jurou a teus pais, amando-te, abençoando-te e multiplicando-te: abençoará o fruto de teu ventre e o fruto do teu solo, teu trigo, teu vinho e teu óleo, as crias de tuas vacas e de tuas ovelhas, na terra que jurou a teus pais dar-te. Serás bendito mais que todos os povos. Não haverá no meio de ti quem seja estéril, macho ou fêmea, tanto entre os homens como entre os animais”. (Deuteronômio 7, 9-10; 12-14)
Rafael andava ao lado de Tobias, mas ele não o via assim, talvez essa seja a manifestação mais comum dos arcanjos, pois uma das suas funções seja orientar aqueles que mais precisam de ajuda e mesmo assim passar despercebido. Talvez outros “anjos”, no entanto sem asas, estejam nos acompanhando e não os notamos. Provavelmente não tenham o glamour dos arcanjos, mas é certo que sempre estão presentes quando mais precisamos.  São pais, mães, irmãos, namorados (as), amigos (as), (…); de certa forma, são anjos orientados pelos anjos de Deus.
São Miguel, São Rafael, São Gabriel rogai por nós e defendei-nos do combate!
Zelemos por nossos anjos! Rezemos por aqueles que nos rodeiam, principalmente os da minha casa, do meu trabalho, da minha rua…
Um imenso abraço fraterno




28 de set de 2011

“Jesus!Tu és o Filho de Deus, tu és rei na minha vida!” – Maria Regina



                                                   A história de Natanael não difere muito da história de cada um de nós. Na maioria das vezes nós também somos como Natanael, desconfiados  e preconceituosos. Não acreditamos quando alguém nos fala das coisas de Deus e só confiamos naquilo que vemos, experimentamos e comprovamos. Hoje, Jesus também nos chama através das pessoas mais simples e despretensiosas, que nos dizem: “Vem ver”! Perdemos tempo, às vezes, buscando solução para os nossos problemas junto de pessoas as quais consideramos alguém muito especial e famoso que nos prenunciam coisas que desejamos e, por isso, deixamos para trás o convite de Jesus.
                                                Contudo, Jesus tem paciência e faz de tudo para nos atrair para o seu reino de amor. Ele conhece a nossa história e sabe qual é a palavra chave para que nós possamos acolher o Seu apelo. Se entendêssemos que Jesus está vivo e atuando na nossa vida e, por isso, deseja dar mais sabor e alegria à nossa existência, com certeza, nós não relutaríamos em atender ao Seu chamado. Jesus também nos vê debaixo das “figueiras” (diversas situações) aonde nós nos encontramos, conhece os apelos do nosso coração e quer nos curar, nos transformar, animar.
                                           Quando só ouvimos falar de Jesus nós desconfiamos, no entanto, a partir do momento em que temos uma experiência pessoal com Ele nós também dizemos como Natanael: “ Tu és o Filho de Deus, tu és rei na minha vida!” Se confiarmos em Jesus e no seu chamado para segui-Lo, muitas maravilhas também haveremos de presenciar: o céu aberto e os anjos subindo e descendo. Reflitamos:– Você ainda é como Natanael foi ou já pode dizer que Jesus é o rei da sua vida? – Você sabe que Jesus conhece tudo sobre você e que o viu desde que você estava sob a figueira, isto é, em todas as situações da sua vida?
Amém
Abraço carinhoso
Maria Regina  

27 de set de 2011

Marta e Maria - Olívia


“UMA  SÓ COISA É NECESSÁRIA”! Olívia Coutinho

Dia 04 de outubro 2011

Evangelho Lc 10,38-42

Estamos no mês de outubro, mês em que a Igreja nos convida a refletir sobre a importância do ser missionário!
Todos nós somos chamados a fortalecer o nosso ideal de discípulo e Missionário de Jesus!
Antes de nos tornarmos missionários, precisamos ser discípulos! Sabemos que o discípulo, é aquele que aprende com o Mestre e que o missionário, é o discípulo  enviado em missão, ou seja, aquele que põem em prática o que aprendeu! 
A primeira atitude de quem quer ser discípulo, é encontrar Jesus, é conhecê-Lo, para fazê-Lo ser mais conhecido no mundo! O discípulo e missionário, é aquele que se faz  íntimo de Jesus, tornando  um sinal vivo do seu amor  no mundo!
Ser missionário, não é privilégio de determinadas pessoas, mas a essência do ser cristão!
Anunciar o evangelho deve ser  um compromisso de toda a comunidade que deseja viver e transmitir a sua fé!
Ser missionário, não se resume só em anunciar o evangelho em outros continentes, mas é também a difícil viagem de sair de si mesmo para ir ao encontro do outro, do “diferente”, do marginalizado: o preferido do Pai!
O trabalho missionário requer muita dedicação, renuncia, disposição, desprendimento e principalmente coragem para ultrapassar as barreiras, que tentam bloquear a sua passagem para outras margens! O missionário precisa estar  livre interiormente para servir, estar dispostos a dividir o seu  tempo, a sua vida, com o outro, principalmente com os mais pobres, os  sedentos, não somente  de pão, mas também de amor! 
                 
 O mundo está cheio de conflitos, necessitando urgentemente  de mais diálogo, de pessoas corajosas que não desiste do humano, que não se curvam  diante dos desafios, porque desejam  levar  a paz onde a vida se desfaz!
Ser missionário é colocar-se à disposição de Deus, como seu instrumento a ser usado como e onde se fizer necessário! É  além das palavras, dar  testemunho de Jesus com a própria vida!  É anunciá-Lo, tornando-se  um evangelho vivo no meio em que vive! É denunciar todo sistema que escraviza, tendo as mesmas atitudes de Jesus! É ter o coração aberto para que todos que se achegarem a ele, sintam a presença do próprio Jesus! Ser missionário, é  nunca  ter medo de dizer sim, ao amor!
 O evangelho de hoje, nos desperta para a importância de dedicarmos tempo, para  escuta da palavra de Deus! É a partir desta escuta, que  nos tornarmos missionários!
 texto nos  apresenta uma  pausa de Jesus, na sua caminhada rumo a Jerusalém, para uma visita as duas irmãs: Marta e Maria! No relato, temos um belo exemplo de como deve ser a postura do discípulo: Interromper atividades cotidianas para ouvir o Mestre!
Marta e Maria acolhem Jesus em casa, as duas querem servi-Lo bem, mas cada uma a seu modo.  Uma, pela escuta atenta, a outra pelo serviço. Diz o texto que Maria sentou-se para ouvir o Mestre, o que nos mostra uma postura  característica  do discípulo que escuta atento os ensinamentos do Mestre! Maria não queria perder tempo com outros afazeres, o que indica, que ela colocava as coisas de  Deus em primeiro lugar!  Enquanto que Marta, ocupada com tantos afazeres, não compreendeu a atitude da irmã! Certamente, Marta também desejava ouvir Jesus, mas a sua preocupação com as tarefas domesticas era maior, privando-a de desfrutar das maravilhas  daquele momento único, que  tivera com   a pessoa de Jesus!
Quando Marta reclama com Jesus sobre a postura de Maria, Ele, com uma suave repreensão, acalma Marta dizendo: “Marta, Marta Tu te preocupas e andas agitada por muitas coisas. Porém uma só coisa é necessária. Maria escolheu a melhor parte e esta não lhe será tirada”! Essa atitude de Jesus,  nos mostra que naquele momento, o mais importante, era deixar tudo para ouvir o que ele tinha a dizer, o serviço poderia ficar  para depois! A intenção de Marta, era de servi-Lo bem, mas ele mesmo diz: ”Eu não vim para ser servido, mas para servir. Mc 10,45
Assim como Marta, nós  também  por que estamos muito ocupados com tantos afazeres, às vezes,  deixamos  de ouvir o que Jesus quer  nos dizer!  
Deixemo-nos, pois, de nos preocupar com tantas coisas, para buscarmos  em primeiro lugar o reino de Deus e com certeza, tudo nos será acrescentado!
 Hoje, Jesus continua a nos dizer: Só uma coisa é necessária...
Para muitos de nós, pode ser difícil definir o que é necessário, Jesus já nos disse, mas muitas  vezes, nos perdemos em meio as preocupações do dia a dia.
O amor, a busca pela santidade, deve ser o nosso objetivo primeiro, o horizonte que não podemos perder  de vista, no meio de nossas ocupações cotidianas!
  
Olívia Coutinho