BOM DIA

BEM VINDOS AOS BLOGS DOS

INTERNAUTAS MISSIONÁRIOS

SOMOS CATÓLICOS APOSTÓLICOS ROMANOS, MAS RESPEITAMOS TODAS AS RELIGIÕES. CRISTÃS OU NÃO.

CATEQUESE PELA INTERNET

LEIA, ESCUTE, PRATIQUE E ENSINE.

PESQUISAR NESTE BLOG - DIGITE UMA FRASE DE QUALQUER EVANGELHO

11 de set de 2011

Salvai-me pela vossa compaixão, ó Senhor Deus!- Missionários Claretianos



Quinta-feira, 15 de setembro de 2011
Nossa Senhora das Dores (Memória).
Outros Santos do Dia: Adão de Caithness (monge, bispo), Aicardo de Jumièges (abade), Albino de Lião (bispo), Apro de Toul (bispo), Catarina de Gênova (viúva), Emília e Jeremias (dois irmãos, mártires de Córdova), Eutrópia de Auvergne (viúva), José Abibos (abade), Mamiliano de Palermo (bispo), Máximo, Teodoro e Ascleplódoto (mártires de Andrinople), Melitina de Marcianópolis (mártir), Merino de Benchor (bispo), Nicetas, o Gótico (mártir), Nicomedes de Roma (presbítero, mártir), Porfírio, o Ator (mártir), Riberto de Saint-Valèry (abade), Riberto de Varennes (abade), Valeriano de Lião (mártir), Valeriano de Tournus (mártir).
Primeira leitura: Hebreus 5, 7-9.
Aprendeu a obediência e tornou-se causa de salvação eterna.
Salmo responsorial:
 30, 2-6.15-15.20.
Salvai-me pela vossa compaixão, ó Senhor Deus!
Evangelho:
 João 19, 25-27.
Mãe entre todas bendita, do Filho único aflita, a imensa dor assistia
 (Stabat Mater).
A realidade da cruz e da dor está intimamente ligada à experiência do cristianismo e, consequentemente, à pessoa de Cristo. A dor e a morte abrem caminha à ressurreição e à vida plena. O mistério da dor e da cruz, em contextos onde são crucificados, não somente pessoas, mas povos, culturas e até a mãe terra, exigem sinais de vida e esperança.
Nesse jogo de palavras: "Mulher, eis ai teu filho... Filho, eis ai tua mãe", dirigidas à sua mãe e ao discípulo amado, encontramos a maternidade ampla de que Jesus nos fala, maternidade nascida da dor e do sofrimento, e filiação que procede, não por via de sangue, mas por opção de vida e compromisso pelo Reino.
A mutua companhia oferecida à mãe e ao discípulo amado formam a semente da nova comunidade de onde florescerá a vida. Por esta razão, ao contemplar Maria das Dores, não temos que olhar para ela de maneira isolada, mas como alguém que tem ao seu lado o discípulo amado. Ela e ele, junto com as outras mulheres e os discípulos, devem regressar ao seio da comunidade para dar testemunho de fé e de vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário