BOM DIA

BEM VINDOS AOS BLOGS DOS

INTERNAUTAS MISSIONÁRIOS

SOMOS CATÓLICOS APOSTÓLICOS ROMANOS, MAS RESPEITAMOS TODAS AS RELIGIÕES. CRISTÃS OU NÃO.

CATEQUESE PELA INTERNET

LEIA, ESCUTE, PRATIQUE E ENSINE.

PESQUISAR NESTE BLOG - DIGITE UMA FRASE DE QUALQUER EVANGELHO

27 de fev de 2012

No mesmo instante, o homem ficou curado - Padre Queiroz



20 de março


Deus nos enriqueceu com mil recursos, e nos assiste vinte e quatro horas por dia. Com ele não existe barreira sem brecha, problema sem solução.


Este Evangelho narra a cura, feita por Jesus, de um homem doente que estava ao lado da piscina de Betesda, havia trinta e oito anos. Ali perto, em Epidauro, havia um santuário pagão, dedicado ao deus da saúde Esculápio, que influenciava na esperança daqueles doentes que ali ficavam ao lado da piscina, esperando a cura, que nunca vinha. Esse homem curado por Jesus é um símbolo das pessoas enganadas pela sociedade consumista e alienadora.
Jesus vai até o doente, cura-o e manda que ele mesmo carregue a sua cama. A diferença entre Jesus e os donos da piscina é que eles prometiam para o futuro, Jesus liberta agora. Para eles, a pessoa não podia libertar-se sozinha, Jesus manda que o curado se liberte com as próprias forças, carregando a sua cama.
Mas, no caminho, outro problema: os judeus queriam impedi-lo de carregar a própria cama, por ser sábado. Intimidam-no. Duas pessoas foram ao encontro daquele doente: Jesus, que o liberta, e o judeu, que quer impedir essa libertação.
Jesus se preocupava com a vida das pessoas. Para ele, o importante é defender e promover a vida, mesmo que para isso seja necessário desobedecer a alguma lei ou autoridade. Os judeus, ao contrário, estavam preocupados com as leis, pouco se interessando pela vida humana.
Na sociedade atual, acontece algo parecido: todos querem ter um "lugar ao sol". Mas é difícil, porque cada vez que um levanta a cabeça, vêm as pauladas, tentando afundá-lo novamente, a fim de que não concorra a este "lugar ao sol". Na hora da eleição, sempre surgem novas artimanhas, a fim de enganar o povo.
Uma das grandes armas que os opressores usam para alienar o povo é o paternalismo. O paternalista não promove o necessitado, pelo contrário, ele se projeta às custas do necessitado, que continua cada vez mais necessitado. Os mantenedores da piscina de Betesda eram paternalistas..
O pobre tem a tendência de destacar as próprias limitações e incapacidades, e de exaltar as qualidades do "pai" que o ajuda. O pobre faz isso a fim de ganhar mais favores do "pai". Ele diz: "Nós somos fracos, ele (o paternalista) é forte, é quase um "deus" para nós". Isso impede a libertação dos dependentes, pois esta libertação consiste justamente no contrário: destacar as próprias forças, competências e virtudes.
O assistencialismo é a ferramenta que o paternalista usa para se projetar diante dos pobres. O assistencialismo amarra as mãos dos "assistidos". Não confunda com a assistência prestada pelas obras assistenciais. Esta une as duas coisas: a ajuda e a promoção. Muitas vezes, antes de ensinar a pescar, temos de dar um pouco de peixe.
"Senhor, não tenho ninguém que me leve à piscina, quando a água é agitada. Quando estou chegando, outro entra na minha frente. Jesus disse: Levanta-te, pega a tua cama e anda." Apareceu alguém que tomou sobre si as dores daquele doente, e o libertou. Custou caro, pois o gesto, unidos com outros semelhantes, lhe trouxe a morte.
"Em tudo vos mostrei que, trabalhando desse modo, se deve ajudar aos mais fracos, recordando as palavras do Senhor Jesus que disse: há mais felicidade em dar do que em receber" (At 20,35).
Na Missa, a consagração do pão e do vinho separados, tornando-se o corpo e o sangue de Cristo, nos lembra a sua morte. Morreu para que tenhamos vida, e para que, como seus continuadores, nos empenhemos na libertação de todas as alienações.
Agora, na quaresma, Cristo nos faz a mesma pergunta que fez ao homem doente: "Queres ficar são? Queres curar-te do teu pecado e comodismo? Queres deixar a tua maca de inválido e começar a caminhar com as próprias pernas, sem ir na onda da mídia? Queres mergulhar na piscina da Água Viva, matando a tua sede de felicidade e de libertação total? A turma do "deixa disso" vai aparecer, pois viviam às custas da tua invalidez, mas não lhes dês ouvidos, pois o que te espera é a filiação divina e a fraternidade eclesial".
Certa vez, um alpinista estava escalando uma montanha e se perdeu. Amarrou-se bem em sua corda de segurança e começou a subir e descer pedras. Mas a noite chegou, uma noite totalmente escura, sem lua nem estrelas, e ele não encontrou o caminho.
Numa hora, coitado, escorregou-se e caiu vários metros, ficando dependurado na corda e balançando no ar. Uma voz interior lhe dizia: "Pula! Solte-se dessa corda!" Mas ele teve medo e continuou ali, dependurado na corda, balançando pra lá e pra cá.
No outro dia, os bombeiros o encontraram morto e congelado pelo intenso frio, suspenso na corda, a apenas dois metros do chão!
Faltou-lhe uma oração e uma reflexão com calma a procura de saídas, por exemplo, jogar um objeto para ouvir o barulho e medir a distância.
Deus nos enriqueceu com mil recursos, e nos assiste vinte e quatro horas por dia. Com ele não existe barreira sem brecha, problema sem solução.
Quando estiver em situação parecida, não vamos agarrar-nos mais ainda na nossa corda, nas nossas limitadas seguranças, mas jogar-nos na total e ilimitada segurança que é Deus. Você continua ainda segurando firme na sua corda? Que pena!
Maria Santíssima foi escolhida como Mãe do Messias. Esta era a maior dignidade de uma mulher judia, na sua época. Mesmo assim, ela se considerava serva. Santa Maria, rogai por nós!
No mesmo instante, o homem ficou curado.
Padre Queiroz

Nenhum comentário:

Postar um comentário