BOM DIA

BEM VINDOS AOS BLOGS DOS

INTERNAUTAS MISSIONÁRIOS

SOMOS CATÓLICOS APOSTÓLICOS ROMANOS, MAS RESPEITAMOS TODAS AS RELIGIÕES. CRISTÃS OU NÃO.

CATEQUESE PELA INTERNET

LEIA, ESCUTE, PRATIQUE E ENSINE.

PESQUISAR NESTE BLOG - DIGITE UMA FRASE DE QUALQUER EVANGELHO

18 de mar de 2012

“Queria prender Jesus” – Claudinei M. Oliveira


 

Sexta - feira, 23 de março de 2012
EvangelhoJo 7,1-2.10.25-30

            Os judeus estavam numa festa que duravam sete dias. Nestes dias lembravam o tempo do êxodo, quando o povo de Deus peregrinou pelo deserto rumo à Terra Prometida, em cabanas cobertas com ramos de árvores. Aproveitavam também para ler textos do Antigo Testamento como o final do livro de Zacarias que dizia “o que sobrar dessas nações, que marcharam contra Jerusalém, deverá ir a ela todo ano para adorar o Rei, Javé dos exércitos, e celebrar a festa das Tendas. Qualquer uma das famílias que não fazer romaria a Jerusalém para adorar o Rei, Javé dos exércitos, ficará sem chuva” (Zc 14, 16-17; in O Evangelho de João, de José Bortolini). Enfim, a festa das Tendas recordava muitas coisas como: a provável chegada do Messias, a reunião de todas as nações de Jerusalém e  a salvação que nasce em Jerusalém.
Contudo, Jesus foi à festa judaica das Tendas, apesar de estar correndo risco de ser preso e morto pelos judeus.  Alguns O reconheceram, mas acreditaram que as autoridades já tinham reconhecidos com o Messias. Mesmo contrariando a lógica da prisão, Jesus pregava tranquilamente no Templo, onde funcionava as escolas das autoridades,  para uma grande multidão. O ensino de Jesus era para a vida, enquanto o ensino das autoridades era para manipular o povo.
            Assim, a mensagem de João é bem clara: tudo vale à pena quando se trata de livrar o povo do mal e do poder centralizado. Jesus não se intimidava das coerções dos opositores, claro que evitava algumas regiões com mais fúria como a região da Judéia, preferia a região da Galiléia, mas como sabia que sua horaainda não tinha chegado, aproveitava a oportunidade para divulgar o Reino da liberdade.
            A Hora de Jesus entregar-se para que o povo tenha vida não seria a partir da vontade dos opressores, mas a partir da vontade do Pai que O  enviou. Usando toda argumentação Jesus enseja advertência comunicando: “o momento certo ainda não chegou para mim. Para vocês, qualquer momento é bom. O mundo não tem motivo para odiar vocês. Mas o mundo me odeia, porque eu sou testemunho de que suas ações são más. Vão vocês para a festa. Eu não  vou para esta festa, porque o momento certo ainda não chegou para mim” (Jo 7, 6-8).
            Da festa dos homens comemorando a pseudo-libertação Jesus não participava, mas participará da verdadeira festa com o Senhor quando subir para ficar a sua direita no céu. Assim, participar da festa dos homens significa corroborar com as atrocidades dos poderosos, neste caso, para Jesus, participar da maleficidade, era condenar o caos para os homens. Portanto, o ódio que o homem tinha de Jesus não passava de artimanha de alinhamento de ações grosseiras e interesseiras.
            Tanto que o povo cultuado pelas Leis das autoridades também passaram a condenar Jesus. Eles defenderam a sua própria morte, mas como estavam alienados não perceberam que estavam condenando o Messias, chegaram até esbravejar com tenacidade: Estás louco! Quem é que está querendo te matar?”  (Jo 7,20).
            Jesus deixou um legado incomparável de o bom servir o povo de Deus. Tudo deve ser feito para agradar a todos de forma consciente, sem manipulação e sem alienação. O homem deve ser livre para escolher seus passos no caminho certo, para tanto, deve ser apresentado a ele o verdadeiro caminho, sem remendo e sem interesse.  Jesus mostrou corajosamente o caminho que leva a salvação, mas alguns homens não compreenderam e resolveram prendê-lo para matar.
            Ainda hoje muitos homens alienados pelo poder da manipulação e do poder do capital não aceitam a proposta de Jesus. Criam suas próprias  leis baratas e as impõem nos ensinamentos do povo através dos meios de comunicação. Deixa o povo sem direito de escolher  o melhor e ainda provoca os filhos de Deus da inexistência do Criador a partir da fé.
            Olha que Jesus já foi morto pelos homens há mais de dois mil anos e muitos procuram nas entrelinhas para matá-lo mais uma vez. E para assegurar da sua decisão e da certeza de que ainda necessita de matar o Mestre, cria no imaginário de que alguns mensageiros  estão lesando seus privilégios e para tanto devem matá-los.
            Portanto, querem prender Jesus para não deixá-lo pregar a verdade para muitos que ainda não conhecem a mensagem da libertação. O povo liberto passa ser um povo exigente e este por sua vez não admitirá ser passado para trás.
            Sejamos este povo liberto que aceita viver na dignidade de uma vida feliz para sempre. Amém!
            Felicidades. Claudinei M. Oliveira

Nenhum comentário:

Postar um comentário