BOM DIA

BEM VINDOS AOS BLOGS DOS

INTERNAUTAS MISSIONÁRIOS

SOMOS CATÓLICOS APOSTÓLICOS ROMANOS, MAS RESPEITAMOS TODAS AS RELIGIÕES. CRISTÃS OU NÃO.

CATEQUESE PELA INTERNET

LEIA, ESCUTE, PRATIQUE E ENSINE.

PESQUISAR NESTE BLOG - DIGITE UMA FRASE DE QUALQUER EVANGELHO

11 de mar de 2012

“As Leis de Deus são maiores” – Claudinei M. Oliveira



Quarta - feira, 14 de março de 2012
Evangelho: Mt  5,17-19

Mateus nos revela que o Reino  vem através da prática da justiça que Deus quer, porém a prática da justiça consiste no amor aos pequenos, nas coisas feitas para atender as necessidades básicas do homem infeliz, contudo jamais prevalecer de leis humanas para condenar  e/ou manipular os indivíduos de pouca instrução, embasado em falsas justiças. Para tanto, Jesus não veio desfazer as Leis do amor, mas fazê-las necessárias para todos, na intenção de cumprir a justiça fraterna. Disse Jesus aos seus discípulos:  “Qualquer um que desobedecer ao menor mandamento e ensinar os outros a fazerem o mesmo será considerado o menor no Reino do Céu. Por outro lado, quem obedecer à Lei e ensinar os outros a fazerem o mesmo será considerado grande no Reino do Céu”.(Mt 5, 19).
Temos  Leis a seguir. Estas Leis são maiores, pois são as Leis do amor, do respeito, da compaixão, da solicitude e tantas outras no mesmo sentido. São Leis-ensinamentos universais que contemplam os anseios de cada um, não os remetem a humilhação, mas os levam a felicidade  e a vida plena. Todas as justiças devem ser voltadas para a vida. Quando algo foi criado para matar ou desonrar uma pessoa, deixa de ser justiça divina e passa a ser a falsa justiça do homem.
Deus criou o  homem para viver na dignidade e na felicidade harmônica em sociedade. Deus não criou o homem para ser infeliz. Portanto, a felicidade está no cumprimento e na obediência do mandamento dos céus e não no cumprimento e na obediência das leis dos homens. Mas como obedecer a Deus e não obedecer aos homens? Como ser feliz com as coisas dos céus e não das coisas da terra? Como engrandecer com os ensinamentos de Cristo que deu a sua vida para salvar a humanidade? Contudo, só conseguiremos abraças os mandamentos de Deus se tivéssemos   crença e a fé no Criador e se praticássemos com honradez a justiça ensinada por Jesus. Outra situação que ainda mereça cuidado, não só deveríamos seguir as doutrinas de Cristo, como ensinar os irmãos a fazer o mesmo.
Temos a obrigação pelo cumprimento das leis de Deus levar a Boa Novaa todos os irmãos que ainda não descobriram o amor verdadeiro de nosso Deus. Ao fazer com que outros conheçam a mensagem da libertação, estamos praticando o Reino do ensinamento da felicidade e, neste caso, estamos agradando Deus.
Ao contrário, os judeus afirmavam serem conhecedores dos ensinamentos do Senhor, diziam cuidadoso pelas leis de Moisés, mas na prática revelavam suas leis perversas, aniquiladoras e portadoras de injustiças. Não adianta conhecer para si, rezar para Deus, é preciso FAZER, ou seja, estar a serviço da missão da fraternidade. Mas enquanto aplicarem-se leis severas que destroem vidas, discriminar os pobres e não se sentarem com eles para fazer a refeição, o REINO DE DEUS NÃO ESTÁ SENDO CONSTRUIDO NA TOTALIDADE, OU SEJA, tudo está sendo desfeito para Deus.
Assim, levar os ensinamentos do Cristo Ressuscitado a todos às criaturas simboliza não ocultar o que é peculiar para a vida ensejada por Deus. Os doutores das Leis, os escribas, os judeus e todos os poderosos do tempo de Jesus sabiam muitos bem o significado das leis do Senhor, mas para alienar os pequenos não os apresentava na essência, criavam outras leis para garantir o pleno privilégio de viver-bem, mas  não conheciam por ignorância o bem-viver. Por isso que Jesus disse: “não penseis que vim abolir as leis e nem os profetas. Não vim para abolir, mas para dar-lhes pleno cumprimento”.Estas palavras também servem para nós que não observamos e nem praticamos a justiça na lei do Senhor.  Que façamos sempre a vontade de nosso Deus e acolhamos com vivacidades todos os irmãos necessitados. Amém!
Façamos a justiça correta. Abraço. Claudinei M. Oliveira

Nenhum comentário:

Postar um comentário