BOM DIA

BEM VINDOS AOS BLOGS DOS

INTERNAUTAS MISSIONÁRIOS

SOMOS CATÓLICOS APOSTÓLICOS ROMANOS, MAS RESPEITAMOS TODAS AS RELIGIÕES. CRISTÃS OU NÃO.

CATEQUESE PELA INTERNET

LEIA, ESCUTE, PRATIQUE E ENSINE.

PESQUISAR NESTE BLOG - DIGITE UMA FRASE DE QUALQUER EVANGELHO

12 de mar de 2012

Quem não está comigo, está contra mim. Padre Queiroz



QUINTA-FEIRA, 15 DE MARÇO
Lc 11,14-23

Quem não está comigo, está contra mim.
Este Evangelho começa dizendo que Jesus expulsou um demônio que torna a pessoa muda. Há duas espécies de mudez: A física e a espiritual. Mudez espiritual é não falar o que deve. É a alienação.
Quando este “demônio” toma conta de uma pessoa, ela não fala, não toma posição, não anuncia a verdade nem denuncia a mentira, não testemunha a favor do bem nem denuncia o mal, não se posiciona do lado da justiça nem contra a injustiça. Não é contra nem a favor, muito pelo contrário. É desses que o capeta gosta. Expulsar esse demônio foi e continua sendo uma grande obra, para que o Reino de Deus seja construído.
Mas outros “possessos”, as autoridades daquele tempo, reagiram, dizendo que Jesus agia pela força de Belzebu, o príncipe dos demônios. Belzebu era o nome de um ídolo antigo. Era tão maldoso que o povo o considerava o chefe dos demônios. Ligar Jesus com os demônios era um jeito fácil de levar o povo a desacreditar nele. Isso acontece muito hoje, especialmente no tempo de campanha eleitoral: Um candidato faz uma obra boa, seu adversário diz que foi por interesses pessoais ou por outros motivos pecaminosos, sendo que muitas vezes ele fez a obra com a melhor das intenções.
O povo estava cada vez mais acreditando em Jesus e deixando de obedecer aos fariseus. Estes queriam desacreditar Jesus, dizendo que Deus não estava com ele. Mas e aqueles milagres que só eram possíveis com uma força sobre natural? O jeito foi atribuí-las aos demônios. Mas e quando Jesus expulsava demônios? Foi diante deste impasse que criaram essa saída maldosa: é pelo chefe dos demônios que ele expulsa demônio. Mas Jesus desmascara a falsidade, mostrando que é impossível o chefe dos demônios expulsar um colega demônio. Assim o reino deles estaria dividido internamente e não sobreviveria. De fato, a mentira não “cola”, pois demônio não expulsa demônio. Um reino, divido contra si mesmo, logo acaba. Também uma família, se é dividida internamente, ela se acaba.
E Jesus apresenta o motivo verdadeiro por que ele expulsa demônios: “Quando um homem forte e bem armado guarda a sua casa, seus bens estão seguros. Mas quando chega um homem mais forte do que ele, vence-o”. Esse homem mais forte é Jesus. Portanto, Jesus é mais forte que todos os demônios, inclusive Belzebu.
“Mas se é pelo dedo de Deus que eu expulso demônios, então chegou para vós o Reino de Deus”. Jesus está dizendo isso a nós, cristãos e cristãs de hoje. Se acreditamos nele, vamos acreditar também no Reino de Deus por ele fundado e nos comprometer com esse Reino.
Somente optando por Cristo, que é o mais forte e venceu o mal, será possível também a nossa vitória sobre o pecado que tenta tomar conta de nós. Assim, evitamos a surdez diante dos apelos amorosos que Deus nos envia todos os dias.
E Jesus termina dizendo: “Quem não está comigo está contra mim. E quem não recolhe comigo, dispersa”. Em outras palavras, ninguém fica neutro diante de Jesus e de sua Igreja. Ou é a favor e assume a mesma causa, ou é contra e procura destruir. Está aí uma concretização da profecia de Simeão: ele será um sinal de contradição e uma pedra de tropeço. Assim serão revelados os pensamentos de muitos corações (Lc 2,34-35).
Jesus usa a comparação de uma colheita de grãos: Diante dele e de sua Igreja, ninguém fica parado: ou recolhe os grãos, ou espalha-os dificultando o trabalhos dos que recolhem. Está aí uma interrogação para nós: Estou recolhendo ou espalhando, colaborando ou prejudicando Cristo e a sua Igreja? Diante de Cristo e da sua Igreja, não há outra opção válida a não ser a obediência à Palavra de Deus, porque este é o único caminho que conduz à vida.
A economia deve estar a serviço da vida e não o contrário. “A riqueza de uma nação não se mede por critérios quantitativos mas pelo bem-estar do seu povo” (Pio XII).
Certa vez, pelas seis horas da manhã, um garotinho de uns oito anos ouviu, de sua cama, o pai e a mãe discutindo lá na cozinha. O menino se esforçava para entender o motivo da briga, mas não ouvia direito as palavras que os dois falavam. De repente, ele ouviu bem nítido o pai dizer: “Eu vou procurar outra mais bonita!”. A mãe respondeu: “Pode ir, eu acho bom mesmo!”.
A criança ficou preocupada. Levantou-se depressa e, de pijama mesmo, saiu correndo atrás do pai, que já estava saindo na rua. A mãe viu, segurou-o pela mão e perguntou: “O que é isso, filho?” Ele destampou a chorar e disse: “Mamãe, o papai vai procurar outra mulher mais bonita que a senhora?” “Não, filhinho!” – explicou a mãe, abraçando-o – “Foi esta cortina da janela da sala, que papai comprou e eu não gostei!”
Quantos casais brigam, e até se separam, sem nem ligar para o que isso representa para os filhos! A tentação nos chega de muitas formas. Que Deus, pela intercessão de Maria Santíssima, abençoe as nossas famílias e as faça cada vez mais unidas!
Maria Santíssima teve seu coração transpassado por uma espada de dor. Ela lutava pelo bem e se posicionava sempre a favor do Reino de Deus. Que ela nos ajude a celebrar a quaresma, escolhendo a vida.
Quem não está comigo, está contra mim.
Padre Queiroz

Nenhum comentário:

Postar um comentário