BOM DIA

BEM VINDOS AOS BLOGS DOS

INTERNAUTAS MISSIONÁRIOS

SOMOS CATÓLICOS APOSTÓLICOS ROMANOS, MAS RESPEITAMOS TODAS AS RELIGIÕES. CRISTÃS OU NÃO.

CATEQUESE PELA INTERNET

LEIA, ESCUTE, PRATIQUE E ENSINE.

PESQUISAR NESTE BLOG - DIGITE UMA FRASE DE QUALQUER EVANGELHO

21 de abr de 2012

“Jesus é exigente com seus seguidores” - Claudinei M. Oliveira



Terça – feira, 24 de Abril de 2012.
Evangelho: Jo  6, 30-35

            O maior alimento para o corpo e para a alma é Jesus. Ele fortalece a totalidade do ser do homem dando vigor para o discernimento no dia-a-dia. Quem acredita e vive a plenitude de Jesus vive na harmonia, na paz e na solicitude para sempre. Entretanto, quem não acredita e não tem fé no filho de Deus padece severamente e vive na tribulação da ganância e do poder, não respeita o irmão e atropela as dádivas de Deus. Por isso, Jesus é exigente com seus seguidores e exige que revele a presença Dele na terra para que  legião de homens e mulheres volte-se para a graça do Pai como princípio de todas as coisas e observe atentamente seus ensinamentos.
            Diante da multidão Jesus exclamau: “Eu sou o pão da vida.  Quem vem a mim não terá mais fome e quem crê em mim, nunca mais terá sede”. São palavras fortes que exigem  de cada cristão o máximo possível  de atuação nos afazeres do cuidado com a vida. O cuidado com a vida requer amor, gratidão e solidariedade. Parecem palavras sem fundamento para sociedade que está preocupada com ostentações e privilégios, mas para um seguidor de Jesus exprimem vivacidades relevantes.
Amar não pode ser um gesto carinhoso passageiro, mas comprometimento  com o outro,  significa fazer o que Jesus fez para a multidão, veja, depois de um dia de viagem e de anunciar o Reino, Jesus e seus discípulos foram descansar, mas perceberam que uma multidão que os seguia estava faminta diante deles. O que Jesus fez: ficou tranquilo e esperou o novo dia para continuar a pregação? Não, colocou seus discípulos  a encontrar alimentos para todos, na festa da multiplicação dos pães. Jesus trabalhou incessantemente. Isto é AMOR.
Se realmente queremos ser amigo de Jesus e praticar a solidariedade para a construção de uma sociedade justa e igualitária, precisamos abastecer do pão e da palavra de Jesus e trabalhar sem nada em troca. Fazer com carinho transpirando fé naquilo que está fazendo para o bem comum, podemos afirmar que estamos abastecidos verdadeiramente para o trabalho na messe.
A missão do cristão consiste em anunciar o Reino e levar credibilidade para os céticos que Jesus, filho de Deus, lutou para a humanidade com fervor. Tudo que Jesus fez e assumiu não pode ser em vão. Tudo que Ele fez com gesto fraterno foi por causa nobre: libertar o homem do mal e dos predadores. Jesus ensinou seus discípulos os meandros do caminho reto e pediu para que levasse a severidade  da justiça coesa, assistida, para todos os cristãos. Ele fez primeiramente, deu seu exemplo, motivou os descrentes e abriu os olhos dos cegos. Cabe a cada um de nós sedimentar sua palavra que salva e dá vida abundante para cada filho e filha de Deus.
Entretanto, caso não temos força para lutar pela dignidade dos irmãos, caso fracassamos diante dos projetos de libertação do povo sofrido, caso desanimamos em não assumir a vontade de anunciar o Reino, NÃO estamos alimentados  da palavra de Jesus. Significa que negamos a vida feliz e abundante anunciada por Jesus e prevalecemos no projeto da morte. Ou seja, desconhecemos a verdade do Pai e compactuamos com a morte do encardido, destruidor de vida. Claro que somos ensinados pela mídia buscar a diversão e vangloriar à custa alheia, mas não podemos fraquejar e deixar nosso ser envolvido pelas ideias maléficas, devemos ter a coragem de lutar contra o mal com energia da fé contraída na pessoa de Jesus.
Portanto, se Jesus exige de cada cristão o desejo do anuncio da verdade na intenção da libertação das forças pecaminosas, devemos sim, abraçar seus ensinamentos e praticar a justiça com todo amor, carinho e fraternidade. Caro irmão e irmã: alimentamos da palavra de Jesus sempre. Amém.
Claudinei M. Oliveira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário